Economia Bitcoin supera R$ 267 mil pela primeira vez desde maio

Bitcoin supera R$ 267 mil pela primeira vez desde maio

Principal criptomoeda do mundo já acumula uma alta de mais de 80% desde que atingiu R$ 148.195 em janeiro

Reuters
Bitcoin sobe quase 3% nesta manhã

Bitcoin sobe quase 3% nesta manhã

Dado Ruvic/Reuters

A cotação do bitcoin ultrapassou R$ 267,50 (US$ 50 mil) nesta segunda-feira (23) pela primeira vez desde maio, ampliando a sua recente recuperação.

A maior criptomoeda do mundo chegou a R$ 270.507,29 (US$ 50.562,11) na máxima até o momento, com investidores apostando que a perspectiva de mais estímulos nos EUA apoiará ganhos adicionais, assim como deve encontrar suporte em movimentos de empresas de serviços financeiros tradicionais envolvendo o ativo.

O bitcoin já acumula uma alta de mais de 80% desde que atingiu R$ 148.195,00 (US$ 27.700) em janeiro. Por volta de 09h (horário de Brasília), subia 2,44%, a R$ 270.193,99 (US$ 50.503,55).

Em paralelo, o ether subia 3,17%, para R$ 17.892,01 (US$ 3.344,30). Na máxima até o momento, chegou a R$ 18.020,83 (US$ 3.368,38). A moeda virtual subiu cerca de 90% desde que foi negociada abaixo de R$ 9.309,00 (US$ 1.740) no mês passado.

A recuperação das criptomoedas ocorre conforme algumas empresas de serviços financeiros oferecem aos clientes acesso a moedas virtuais. A PayPal Holdings disse nesta segunda-feira que permitiria a clientes no Reino Unido comprar, vender e manter bitcoin e outras criptomoedas a partir desta semana.

Alguns traders acreditam que o mercado de bitcoin ainda não viu o retorno total dos investidores de varejo, sugerindo que a atual alta pode continuar pela frente.

"Na última vez em que o bitcoin estava em US$ 50.000, as tendências do Google (site de rastreamento que mostra pesquisas de bitcoin) eram muito maiores do que agora", disse Marcus Sotiriou, corretor de ativos digitais do Reino Unido, GlobalBlock, em uma nota.

"Isso sugere que a euforia do varejo ainda não entrou no mercado e que o bitcoin ainda tem um longo caminho a percorrer neste ciclo de mercado."

Últimas