Economia Bolsa cai mais de 15% e aciona circuit breaker pela 2ª vez no dia

Bolsa cai mais de 15% e aciona circuit breaker pela 2ª vez no dia

Depois de serem interrompidas às 10h20, operações voltaram a cair após interrupção; às 11h14, o Ibovespa chegou à baixa de 15,43%

  • Economia | Do R7

Dia de pânico nos mercados mundiais nesta quinta

Dia de pânico nos mercados mundiais nesta quinta

CRIS FAGA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Bolsa de Valores de São Paulo voltou a operar às 12h20 desta quinta-feira (12) após o segundo circuit breaker do dia, quando as operações apresentaram queda de mais de 15%. O retorno intensificou as baixas: às 12h39, a desvalorização já era de 16,07%. 

Dólar abre acima de R$ 5 pela primeira vez na história

Entre as ações que puxam a queda da Bolsa de São Paulo estão as das companhias aéreas Azul e Latam, que anunciaram redução de 30% nos voos internacionais.

Os papéis da Azul caíam 27,31% no momento da segunda paralisação, enquanto os da Latam despencavam 26,71%. 

A paralisação das operações ocorre sempre que as negóciações caem exageradamente. Às 10h21, o índice Ibovespa caía 11,65%, com 75.247 pontos, o que fez a B3, administradora da bolsa, suspender as operações por 30 minutos. Às 11h14, o Ibovespa chegou aos 72.026,68 pontos, com uma baixa de 15,43% no valor das ações.

Circuit breaker, um puxão de orelha que costuma funcionar na Bolsa

Se na volta das operações, após uma hora, a desvalorização no pregão ultrapassar os 20%, a B3 pode determinar o cancelamento das negociações por tempo indeterminado.

Esta é a quarta vez na história que a Bolsa brasileira utiliza duas vezes no mesmo dia o circuit breaker. 

A queda nas ações ocorre por causa do temor mundial com o novo coronavírus, que fez quarta-feira o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, suspender os voos da Europa para o país, e a liga de basquete norte-americana (NBA), interromper seus jogos.

Últimas