Economia Bolsonaro bloqueia 44% do orçamento das Forças Armadas

Bolsonaro bloqueia 44% do orçamento das Forças Armadas

Verba congelada corresponde a R$ 5,8 bilhões e não impõe necessidade de mudanças na operacionalidade do Ministério da Defesa

Forças Armadas

Bolsonaro comunicou corte às autoridades militares

Bolsonaro comunicou corte às autoridades militares

Fabio Mota/Estadão Conteúdo

O Ministério da Defesa confirmou nesta terça-feira (7) o bloqueio de R$ 5,8 bilhões no orçamento das Forças Armadas, O valor foi anunciado pela manhã pelo presidente Jair Bolsonaro aos militares e corresponde a 44% do orçamento total destinado a Marinha, Exército e Força Aérea.

"Tal bloqueio, no momento, não impõe necessidade de mudanças na operacionalidade do Ministério da Defesa", afirmou a pasta, que diz trabalhar com a expectativa de "recuperação da economia e reequilíbrio do orçamento brevemente".

Bolsonaro: governo tenta alavancar economia com empregos

Além do corte das verbas para as Forças Armadas, o encontro fechado pela manhã discutiu programas e projetos para Marinha, Exército e Força Aérea. A reunião inicial não contou com a presença de Bolsonaro, que chegou ao local para almoçar com as autoridades e falar a respeito do contingenciamento.,

Corte de verba foi anunciado após reunião com as Forças Armadas

Corte de verba foi anunciado após reunião com as Forças Armadas

Sgt Djalma/CCOMSEx - 7.5.2019

Cortes

Na semana passada, o MEC (Ministério da Educação) anunciou um corte linear nas verbas das universidades federais, o que resultará em um bloqueio estimado de R$ 5,8 bilhões do orçamento da pasta.

A decisão ocorre após a repercussão negativa causada pelas declarações do ministro Abraham Weintraub, que anunciou que a promoção de "balbúrdia" nos câmpus e de festas inadequadas ao ambiente universitário seria um dos critérios usados para a escolha das instituições afetadas pelo congelamento de verbas na casa dos 30%.

Na ocasião, foram alvo das medidas apenas a UFF (Universidade Federal Fluminense), a UnB (Universidade de Brasília) e a UFBA (Universidade Federal da Bahia).