Bolsonaro cogita publicar decreto para liberar volta ao trabalho

Para presidente, paralisação de comércio e da circulação de pessoas causará um grande impacto na economia, o que pode levar a onda de desemprego

Bolsonaro: estou com vontade de baixar um decreto amanhã

Bolsonaro: estou com vontade de baixar um decreto amanhã

Isac Nóbrega/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo (29) que cogita assinar um decreto para permitir que todas as profissões possam voltar a trabalhar.

Leia mais: Coronavírus: shoppings manterão emprego e salário na quarentena?

O presidente tem sido crítico a medidas restritivas impostas por governadores em alguns Estados em razão da pandemia do novo coronavírus.

Leia mais: Prefeitos vão enviar cadastro para informal receber auxílio de R$ 600

Segundo ele, a paralisação de comércio e da circulação de pessoas causará um grande impacto na economia, o que pode levar a uma onda de desemprego e falta de sustento para trabalhadores informais.

Leia mais: Sete microempresárias falam sobre o efeito coronavírus nos negócios

"Eu estou com vontade, não sei se vou fazer, mas estou com vontade de baixar um decreto amanhã: toda e qualquer profissão legalmente existente, ou aquela voltada para a informalidade, mas que for necessária para o sustento dos seus filhos, para levar o leite para os seus filhos, levar arroz e feijão para a sua casa vai poder trabalhar", afirmou ao chegar no Palácio da Alvorada neste domingo, depois de fazer uma visita a vários locais da capital federal, como padarias, postos de combustível, mercados e farmácias.

Leia mais: Guedes diz que medidas anunciadas equivalem a mais de 4,8% do PIB

A entrevista do presidente foi transmitida nas redes sociais.

Bolsonaro disse ainda que irá recorrer da decisão judicial que derrubou decreto que permitia funcionamento de lotéricas no Brasil. Segundo ele, o serviço é, muitas vezes, a única agência bancária da cidade.

Leia mais: Indústria, comércio e serviços já pedem retomada contra demissões

"(A pessoa) vai ter que mudar de cidade para pagar o boleto, para receber seu dinheiro do Bolsa Família. Derrubaram e vou ter que recorrer. Vamos começar agora uma guerra de liminares", afirmou.