Economia Botijão de gás poderia ser vendido a R$ 70 no máximo, diz Bolsonaro

Botijão de gás poderia ser vendido a R$ 70 no máximo, diz Bolsonaro

Presidente voltou a citar o valor do frete, o ICMS dos Estados e a margem de lucro dos vendedores para justificar o alto custo 

Agência Estado
Bolsonaro diz que o preço depende também dos governadores

Bolsonaro diz que o preço depende também dos governadores

Facebook / Divulgação 22-07-2021

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (26) que o preço do botijão de gás para o consumidor final deveria ser de no máximo R$ 70 e novamente culpou tributos estaduais pelo valor elevado de produtos essenciais. "Poderia ser vendido a R$ 60, R$ 70, no máximo. Depende de o governador colaborar nesse sentido", disse em entrevista à rádio Arapuan, da Paraíba.

Bolsonaro voltou a citar o valor do frete, o ICMS dos Estados e a margem de lucro dos vendedores para justificar o alto custo do gás, sem mencionar a responsabilidade do governo federal na alta dos preços. "O preço médio de um botijão de 13 kg lá onde ele é engarrafado é R$ 45. Imposto federal: zero. Então chega a 100, 110 como? Basicamente, é o ICMS, mais o preço do transporte a margem de lucro", esquivou-se.

Bolsonaro afirmou que vai vetar qualquer aumento de impostos no texto final da reforma tributária e responsabilizou o Congresso por eventuais medidas de expansão da cobrança de impostos. No entanto, a proposta do próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, prevê limitar o uso da declaração simplificada do imposto de renda da pessoa física e a cobrança de tributos sobre lucros e dividendos. Segundo estimativa da Receita Federal, as mudanças resultariam em aumento de R$ 6,15 bilhões da arrecadação federal.

"O objetivo principal é simplificá-la, mas passa pelo parlamento aí muita mudança pode ser feita. O que eu já falei: nós não vamos admitir aumento de carga tributária. Se aumentar alguma coisa, eu veto aquilo que começou comigo mesmo", disse.

Últimas