Brasil importa R$ 11,2 bi em têxteis e deixa de criar 598 mil empregos

De janeiro a setembro, importações cresceram 4,5%, enquanto exportações caíram 1,4%

O Brasil já importou R$ 11,2 bilhões (US$ 5 bilhões) em produtos têxteis entre janeiro e setembro deste ano, o que deixou de gerar 598 mil postos de trabalho no setor, de acordo com estimativa da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).

Nesses primeiros nove meses do ano, informa a entidade, somente as importações de vestuário  cresceram 4,5%, em valor (US$). Já as exportações caíram 1,4%.

No entanto, nos mesmos primeiros sete meses do ano, o volume de vendas no varejo cresceu 3,4%, ao passo que a produção têxtil apresentou queda de 3,1% e a de vestuário diminui 2,2%.

De acordo com análise da associação, “isso comprova que os produtos importados estão aumentando sua participação no mercado nacional, enquanto as empresas estão com capacidade ociosa”.
 
Em uma década, o valor de produtos têxteis importados cresceram 20 vezes, saindo de US$ 110 milhões para US$ 2,1 bilhões, informa o setor.

Incentivos fiscais

A indústria têxtil um RTCC (Regime Tributário Competitivo para Confecção), com incentivos ficais, como redução de 5% nos impostos para o setor. O presidente da Abit justifica a reivindicação:

— Há muito tempo o cenário deixou de ser de competitividade entre empresas, para ser de competitividade entre países. O Brasil está muito longe nessa corrida e considerado um dos piores mercados para se produzir. Precisamos urgentemente, mudar esta situação.