Economia Brasileiro corta gastos com roupa, lazer e comida por causa da inflação

Brasileiro corta gastos com roupa, lazer e comida por causa da inflação

Essa estratégia foi adotada por 91% dos moradores do Norte e do Sul do País

Brasileiro corta gastos com roupa, lazer e comida por causa da inflação

Pesquisa aponta que 84% dos entrevistados confirmaram que cortaram custos nos últimos 12 meses

Pesquisa aponta que 84% dos entrevistados confirmaram que cortaram custos nos últimos 12 meses

Getty Images

Com a inflação em alta, os brasileiros estão tendo que cortar os gastos para que o orçamento chegue até o fim do mês. Uma pesquisa da Hello Research, agência especializada em pesquisa de mercado e aplicações em business intelligence, mostra que, para driblar a alta dos preços, os consumidores estão diminuindo os gastos com roupas, lazer e, até mesmo, com a alimentação.

O levantamento, feito com 2.002 pessoas em mais de 70 cidades de todas as regiões do País, aponta que 84% dos entrevistados confirmaram que cortaram custos nos últimos 12 meses, justamente com receio da inflação.

Esse recurso foi adotado principalmente por moradores das regiões Norte e Sul, ambas com 91%, e Centro-Oeste, com 90%. A região Nordeste é a que possui menor índice, com 80%.

As categorias escolhidas no momento de diminuir os gastos foram “vestuário”, com 71%, e “lazer”, com 69%. Na sequência, aparecem “alimentação fora do lar” e “viagens”, com 65% cada – os cortes nestas quatro áreas foram mais comentadas na região Sul. Completam a lista os gastos com “serviços” (60%), “alimentação em casa” (56%) e “educação” (33%).

“As informações da pesquisa evidenciam a mudança no comportamento de compra do brasileiro. Já é nítida a percepção de crise e incerteza econômica no País por grande parte da população”, comenta Davi Bertoncello, CEO da Hello Research.

Desemprego e atraso no cartão são principais causas de inadimplência em SP

Calote de consumidores e empresas bate recorde histórico em agosto

Idade

Com a divisão por faixa etária, quem mais apertou o cinto foram os brasileiros entre 36 e 45 anos, com 88%, seguido pelo grupo de 46 a 59 anos, com 85%, e 26 a 35 anos, com 83%. Os idosos (pessoas com mais de 60 anos) tem o menor número, com 79%.

A pesquisa verifica esta tendência nas divisões regionais e por idade. A resposta “viagens” também é lembrada por pessoas com mais de 60 anos (60%) e moradores do Sudeste (67%) – atrás apenas de “vestuário” em ambos os grupos.

Leia mais sobre Economia e ajuste suas contas

R7 Play: assista à Record onde e quando quiser