Brasileiro morre durante transporte de plataforma da Petrobras

Era a segunda vez no mundo que estava sendo utilizado o transporte pela modalidade dry tow (reboque seco), segundo informou a Petrobras

Uma das plataformas da Petrobras

Uma das plataformas da Petrobras

Wikimedia Commmons

Um acidente com a plataforma da Petrobras P-70, recém-finalizada em um estaleiro da China (COOEC), matou um brasileiro e feriu mais cinco tripulantes durante o trajeto da unidade para ser instalada no pré-sal da bacia de Santos.

Leia também: Petrobras suspende trânsito de navios pelo Estreito de Ormuz

Era a segunda vez no mundo que estava sendo utilizado o transporte pela modalidade dry tow (reboque seco), segundo informou a Petrobras em nota no início de dezembro, quando a P-70 saiu da China em direção ao Rio de Janeiro.

O objetivo de utilizar esse tipo de transporte, segundo a estatal informou na época, é reduzir o tempo para a chegada da unidade ao local de instalação, no caso, uma economia de 40 dias.

A Petrobras informou nesta quarta-feira (8) que o acidente ocorrido na plataforma P-70 não vai afetar o cronograma de instalação da unidade.

O transporte estava sendo feito pela holandesa Boskalis. Antes, o sistema dry tow tinha sido utilizado para trazer a P-67 ao Brasil, informou a Petrobras.

Procurada, a Boskalis disse não ter informações imediatamente. Tanto o brasileiro morto quanto os feridos eram terceirizados da empresa.

Pelo sistema dry tow, ao invés de ser conduzida por rebocadores oceânicos, a unidade é embarcada em um navio semissubmersível para transporte de carga pesada.

Ao todo são 78 mil toneladas, o que corresponde ao peso de 220 Boeings 747, milimetricamente acomodadas na embarcação.