China corta compulsório para alguns bancos para alimentar empréstimos em meio a epidemia

PEQUIM (Reuters) - O banco central da China informou nesta sexta-feira que está cortando o volume de dinheiro que alguns bancos devem manter como reserva pela segunda vez neste ano, liberando 550 bilhões de iuanes (79 bilhões de dólares) em liquidez para sustentar a economia afetada pelo coronavírus.

O Banco do Povo da China disse em seu site que vai cortar o compulsório entre 0,50 e 1 ponto percentual para os bancos que atenderem metas de financiamento inclusivo.

O corte, o nono desde o início de 2018, entrará em vigor a partir de 16 de março.

O banco central vem afrouxando a política monetária desde o surto do vírus, cortando a taxa de empréstimo referencial e dizendo aos bancos para oferecerem empréstimos baratos e alívio a pagamentos para empresas que foram mais afetadas pelo coronavírus.

Analistas consultados pela Reuters esperam que o crescimento econômico da China caia a 3,5% no primeiro trimestre, contra 6,0% nos três meses anteriores.

(Reportagem de Yawen Chen, Lusha Zhang, Roxanne Liu e Kevin Yao)