Com expectativa por reforma, Bolsa sobe e dólar cai a R$ 4,06

Seguindo o movimento positivo nos mercados internacionais, investidores olham para o relógio na expectativa da votação da reforma da Previdência

Expectativa com a Previdência movimenta a bolsa

Expectativa com a Previdência movimenta a bolsa

CRIS FAGA/ESTADÃO CONTEÚDO

Em mais um dia de mercados animados pelo mundo e com o investidores brasileiros contando nos dedos o início da votação da reforma da Previdência, a Bolsa caminha para mais um recorde nesta terça-feira (22), que também tem a cotação do dólar em queda frente o real.

Leia também: Como fica a aposentadoria com a aprovação no Senado

Às 12h37, o Ibovespa subia 1,13% aos 107.217,55 pontos. Já o dólar recuava 1,57%, cotado aos R$ 4,06, no menor patamar para a moeda americana no meio do dia desde o dia 7 de outubro, quando ela chegou a R$ 4,05. Ontem o Ibovespa comemorou seu primeiro fechamento da história acima dos 106 mil pontos.

"É importante encerrar a reforma da Previdência", afirma o analista da Mirae Asset Corretora Pedro Galdi, sintetizando o sentimento do mercado nesta terça-feira. Ele entende que a equipe econômica está apenas esperando a emenda constitucional que altera o sistema de pensões e aposentadorias virar realidade para encampar outras grandes mudanças. Entre elas, Galdi cita a reforma tributária, privatizações e também a reforma administrativa, que deve vir em primeiro lugar como afirmou o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. 

Bolsa e Petrobrás

Entre as maiores altas do Ibovespa ao longo da manhã estão as ações da Petrobrás. A estatal sobe beneficiada com a valorização dos preços do petróleo, com maior proximidade do leilão multibilionário do pré-sal, e também com o reajuste médio de 5% para o GLP P13, o gás de cozinha, nas refinarias.

O anúncio do aumento do gás foi feito hoje de manhã. A partir desta terça-feira, a estatal passará a cobrar um preço médio de R$ 1.943,34 por tonelada, ante R$ 1.850,84 anteriormente. O último reajuste havia sido feito em 5 de agosto. A alta foi antecipada ontem pelo Sindicato Nacional das Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás).

Além disso, o relator da reforma da Previdência no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), disse que a votação da reforma da Previdência termina nesta terça, nem que seja de madrugada.

Brexit

Entretanto, o investidor segue monitorando a questão da saída do Reino Unido da União Europeia (UE). O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou que se Parlamento atrasar o Brexit até janeiro, será preciso ter eleição geral. O índice britânico FTSE fechou em alta de 0,68%. Na Alemanha, o DAX também registrou valorização de 0,05%. 

PSL e Receita

E, no Brasil, pairam preocupações acerca da crise no PSL. Nesta manhã, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) nomeou novos vice-líderes na Câmara. A informação é de que todos os vice-líderes nomeados por ele foram notificados pela legenda ontem.

Há pouco, a Receita Federal informou que a arrecadação somou R$ 113,933 bilhões em setembro, o maior resultado para o mês desde 2014. O dado ficou pouco acima do piso das expectativas, de R$ 113,700 bilhões, cujo teto era de R$ 125,500 bilhões, e veio abaixo da mediana de R$ 118,400 bilhões.

Dólar

O dólar recua ante o real desde cedo e caiu aos R$ 4,0659 (-1,57%) na mínima do mercado à vista depois do meio-dia. É o menor valor intraday da moeda americana desde o último dia 7, quando o dólar à vista registrou alta a R$ 4,0588 na sessão em meio a estresse com o adiamento da votação do segundo turno da reforma da Previdência no Senado para o dia 22, devido à participação de parlamentares no evento de canonização de Irmã Dulce, no Vaticano, na semana passada.