Concurseiros mudam rotina de estudos durante isolamento social

Quem tem filhos, divide o tempo das leituras e exercícios com o home office e as aulas on-line dos pequenos. Quem não tem, pode se dedicar mais

Concurseiros devem manter ritmo de estudos durante isolamento social

Concurseiros devem manter ritmo de estudos durante isolamento social

Pixabay

A pandemia do coronavírus também vem afetando a vida dos concurseiros, conhecidos por manterem uma rotina de estudos intensa para prestarem concursos públicos.

Um deles é o servidor Wellington Lopes, 47, que está estudando para o cargo de juiz de direito do concurso do TJ-GO (Tribunal de Justiça do Estado de Goiás), há dois anos. Ele conta que a publicação do edital estava prevista para sair em março, mas foi adiada.

Leia mais: Acordos para redução salário e jornada chegam a 2,5 milhões

Lopes não está conseguindo manter ritmo de estudos

Lopes não está conseguindo manter ritmo de estudos

Arquivo pessoal

“Em razão da queda de arrecadação e do corte no repasse do Poder Executivo ao Judiciário, todos os concursos foram suspensos por prazo indefinido”, explica.

Lopes diz que quebrou totalmente a rotina de estudos durante o isolamento social. Teve, inclusive, que reduzir o tempo que se dedicava para fazer os exercícios e revisar as matérias.

Leia mais: Suspensão de contrato e redução de jornada valem para domésticas

Ele diz que antes da pandemia, a meta era se dedicar, no mínimo, duas horas de estudos no período da manhã, antes de ir ao trabalho, e mais uma ou duas horas à noite, depois de colocar a filha de 6 anos para dormir.

"Agora, pela manhã, acompanho as aulas on-line da minha filha, cumpro minha carga horária de trabalho inteira em home office e acabo estudando somente um pouco à noite.”
Wellington Lopes
Larissa intensificou carga horária  de estudos

Larissa intensificou carga horária de estudos

Arquivo pessoal

Lopes acredita que a rotina de todos os pais está mais corrida com o isolamento social. “Meus amigos sem filhos disseram que estão conseguindo estudar mais.”

É o caso de outra concurseira, Larissa Jorge de Paula, 26, que é bacharel em direito e estuda há quatro anos para concursos com foco na carreira policial.

Leia mais: Reclamações sobre vendas online aumentam mais de 100%, diz Procon

Larissa conta que, no começo do isolamento, aproveitou para descansar um pouco. Depois, mudou sua estratégia.

“Intensifiquei os estudos e estou aproveitando este período para me preparar melhor. Sei que a concorrência será grande quando as provas forem reagendadas e novos editais voltarem a ser publicados.”
Larissa Jorge de Paula

Ela está há um ano e meio estudando para a prova de Polícia Rodoviária Federal. 

A bacharel em direito também ia prestar o concurso da Polícia Civil do Distrito Federal, que seria realizado um pouco antes do isolamento, mas a data foi adiada por conta da pandemia do coronavírus.

Concursos suspensos e provas adiadas

Gabriel Henrique Pinto, professor e diretor da Central de Concursos, diz que algumas provas foram suspensas por conta da pandemia do coronavírus e da situação econômica do país.

Entre eles, TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de S. Paulo), TCM-SP (Tribunal de Contas do Município de São Paulo) e da Polícia Civil do Distrito Federal.

Também deve ser adiada, segundo ele, a publicação dos editais para as provas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) e a da Receita Federal.

O professor conta que as aulas presenciais da Central de Concursos foram substituídas, nesse período, por on-line com transmissão ao vivo. “Elas são realizadas no mesmo dia e período das presenciais.”

Pinto afirma que não viu a procura por cursos preparatórios on-line crescer neste período.

"As pessoas estão inseguras para investir em qualquer coisa neste momento, e isso inclui um curso preparatório para concursos. A maioria vai esperar para ver o que acontecerá com o país.”
Gabriel H. Pinto

Quem já estava se preparando, o professor orienta a aproveitar a paralisação das provas para estudar.

Isolamento afeta qualidade de estudo

Rodrigo Gomes, professor de direito constitucional e processo penal do AlfaCon Concursos, pondera que é “um grande mito pensar que o concurseiro ganhou mais tempo para estudar ficando em casa”.

“Ele pode ter mais tempo, mas sem qualidade porque outras pessoas também estão trabalhando em casa, e isso dificulta muito os estudos.”

Gomes comenta que seus alunos costumam frequentar bibliotecas ou alugar baias para estudar individualmente, sem barulho.

“Com todo mundo em casa, é mais difícil manter o nível de concentração nos estudos.”
Rodrigo Gomes

O professor diz que os alunos estão buscando mais conteúdo na internet para estudar. 

"Vejo que minhas páginas nas redes sociais estão bem movimentadas e que o público está revendo aulas antigas”.

Gomes orienta os concurseiros a não se cobrarem muito, neste momento.

“É preciso ter consciência de que estamos vivendo um momento excepcional. Não dá para manter o mesmo rendimento de antes. Não se cobre muito e mantenha o movimento normal de estudos.”

Procura por concursos deve aumentar após pandemia

Para Renato Saraiva, presidente da Aconexa (Associação de Apoio aos Concursos e Exames) e da escola Cers, a procura por concursos deve aumentar após o fim do isolamento social e da pandemia do coronavírus.

“A população está vendo que os servidores públicos não foram afetados com a crise econômica. Estão em casa, no esquema home office e têm seus empregos garantidos quando tudo voltar ao normal e sem redução salarial.”
Renato Saraiva

Saraiva acredita que centenas de editais que não foram lançados antes da pandemia, sejam publicados após esse período.

E dá um alerta: “não adianta estudar apenas quando o edital sair. O concurseiro profissional estuda com muita antecedência.”