Economia Confiança do consumidor no Brasil sobe em julho, mas perde ritmo

Confiança do consumidor no Brasil sobe em julho, mas perde ritmo

Depois de salto de 3,5 pontos em junho, índice medido pela FGV avança 0,5 ponto, com incerteza sobre poder aquisitivo das famílias

Reuters
Apesar do menor poder aquisitivo, consumidor brasileiro acredita na melhoria da economia

Apesar do menor poder aquisitivo, consumidor brasileiro acredita na melhoria da economia

Edu Garcia/R7 - 19.07.2022

A confiança dos consumidores brasileiros voltou a subir em julho, porém a um ritmo bem mais fraco do que no mês anterior, uma vez que permanece a incerteza em relação à situação financeira das famílias de menor poder aquisitivo, segundo dados da FGV (Fundação Getúlio Vargas), divulgados nesta segunda-feira.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da FGV teve avanço de 0,50 ponto no mês, chegando a 79,5 pontos, depois de ter saltado 3,5 pontos em junho. Segundo a FGV, esse número indica acomodação do índice.

"Aparentemente, o efeito dos estímulos realizados pelo governo perde força e não consegue reverter a percepção ruim da situação financeira das famílias de menor poder aquisitivo", explicou em nota a coordenadora das sondagens, Viviane Seda Bittencourt.

Ela destacou, no entanto, melhora das perspectivas sobre economia e emprego para os próximos meses.

"Esse movimento, contudo, é exatamente oposto para os consumidores de maior poder aquisitivo. A proximidade das eleições pode tornar as expectativas mais voláteis, considerando que não há uma perspectiva de mudança dos fatores econômicos nos próximos meses", completou.

O ISA (Índice de Situação Atual) teve recuo de 0,1 ponto e ficou em 70,3, enquanto o IE (Índice de Expectativas) subiu 0,7 ponto e alcançou 86,6 pontos, maior nível desde agosto de 2011.

Últimas