Economia Consumidores esperam inflação de 5,6% nos próximos 12 meses

Consumidores esperam inflação de 5,6% nos próximos 12 meses

Valor corresponde ao maior percentual esperado pelo índice de preços desde outubro de 2018, aponta FGV

  • Economia | Do R7

Metade dos consumidores já vê inflação acima do teto da meta

Metade dos consumidores já vê inflação acima do teto da meta

Public Domain Pictures

A expectativa de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses subiu 0,1 ponto percentual no mês de abril e fechou o mês em 5,6%. Trata-se do maior nível desde outubro de 2018, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (27), pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Para Claudia Perdigão, economista do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da FGV), a alta das expectativas de inflação dos consumidores é sustentada pela trajetória de alta dos preços de alimentos e bebidas nos últimos meses.

"A desvalorização da taxa de câmbio e a dificuldade de obtenção de matérias primas influenciam os preços atuais gerando expectativas de uma trajetória de aumento da inflação nos próximos meses”, afirma Claudia.

Caso seja confirmada, a expectativa aponta para um índice de preços acima do teto da meta definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para o índice oficial de preços, de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais (5,25%) ou para menos (2,25%).

Em abril, 8,5% dos consumidores projetaram valores abaixo da meta de inflação para 2021 (3,75%). Por outro lado, a proporção de consumidores projetando valores acima do limite superior da meta de inflação para 2021 (5,25%) foi elevada de 43,8% para 51,8%.

Renda

A alta da expectativa mediana para a inflação nos próximos 12 meses foi influenciada por todas as classes de renda exceto mais baixa. Os consumidores com renda familiar mensal entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800 a expectativa de inflação registrou aumento de 0,2 ponto, para 5,9%.

Já para aqueles com renda entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600, a expectativa mediana subiu 0,1 ponto para 5,2%, e para aqueles com renda acima de R$ 9.600,01 subiu 0,3 ponto para 5,2%.

Últimas