Inflação

Economia Copom começa hoje reunião para definir taxa básica de juros

Copom começa hoje reunião para definir taxa básica de juros

Encontro continua na quarta-feira e decisão deve resultar na manutenção da Selic em 6,5%, o menor valor da história

  • Economia | Thomaz Kravezuk, do R7*

Banco Central deve manter taxa em seu menor valor da história

Banco Central deve manter taxa em seu menor valor da história

Raw Image/Folhapress

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) se reúne a partir desta terça-feira (31) para definir o valor da Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. A expectativa do mercado é que a taxa seja mantida em 6,5% ao ano. 

As reuniões do Copom duram dois dias e a nova taxa básica de juros deve ser determinada na tarde de quarta-feira (1). Esta é a quinta reunião do ano. 

O patamar de 6,5% ao ano foi alcançado na reunião do Copom de março deste ano. A taxa está em queda desde agosto de 2016 e este é o menor índice da série histórica.

A taxa básica de juros do Brasil é usada nas negociações de títulos públicos no Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) e serve de referência para as outras taxas de juros da economia.

A porcentagem da Selic é definida em reuniões regulares do Copom desde 1996 e vigora por todo o período entre os encontros.

Inflação

A Selic é utilizada pelo Banco Central para manter a inflação oficial, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), sob controle. O centro da meta para a inflação em 2018 é 4,5%. Até junho, o IPCA acumulado no ano estava em 2,60%.

Ao aumentar a Selic, o Banco Central segura a demanda por bens e serviços que pressiona os preços, já que juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a população a guardar dinheiro.

Ao reduzir a Selic, o crédito é barateado, o que incentiva o consumo e a produção, mas acaba resultando no aumento da inflação.

* Estagiário do R7 sob supervisão de Paulo Lima.

Últimas