Novo Coronavírus

Economia Coronavírus impõe riscos ao PIB brasileiro em 2021, avalia Fitch

Coronavírus impõe riscos ao PIB brasileiro em 2021, avalia Fitch

Agência de classificação de risco estima contração do crescimento brasileiro de 6% neste ano, ante previsão anterior de declínio de 4%

Reuters
Expectativa de crescimento do Brasil em 2021 é de 3,2%

Expectativa de crescimento do Brasil em 2021 é de 3,2%

Pixabay

A agência de classificação de risco Fitch Ratings alertou nesta terça-feira (9) que a intensidade e duração incertas da crise do coronavírus no Brasil impõem riscos à projeção da agência de crescimento da economia e redução do déficit fiscal em 2021.

A Fitch estima contração do PIB de 6% neste ano, ante previsão anterior de declínio de 4%, em grande parte por causa da crise da covid-19 no país, que fez Estados adotarem medidas de isolamento social. Para 2021, a expectativa é de crescimento de 3,2%.

Leia mais: Venda de seminovos desaba e sinaliza encolhimento da economia

O déficit deverá bater 14% do PIB em 2020, nas contas da agência, contra estimativa anterior de rombo de 13%. Em 2021, cairia para 6,5% do PIB, mas com contínuo crescimento da dívida pública, de 92,3% do PIB para 93,5%, ante média de 56,3% de países classificados como "BB". "O Brasil tinha um equilíbrio fiscal relativamente fraco e baixo crescimento pré-pandemia", disse a Fitch em nota.

"O grande estímulo mitigará o impacto econômico, mas a recuperação pode ser prejudicada por uma trajetória fiscal incerta, aumento da dívida pública e confrontos periódicos entre o Executivo e o Legislativo, nublando as perspectivas de reformas para conter gastos e melhorar as taxas de crescimento", acrescentou a agência. "Protestos periódicos nas ruas e tensão entre o governo e o Judiciário também afetaram negativamente o ambiente político", completou.

Últimas