Cotações do petróleo têm pior semana em uma década diante de coronavírus e guerra de preços

Por Stephanie Kelly

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo encerraram nesta sexta-feira a pior semana desde a crise financeira de 2008, abalados pela pandemia de coronavírus e por esforços da Arábia Saudita e aliados para inundar o mercado com níveis recordes de oferta.

A rara combinação de choques severos tanto de oferta quanto de demanda levou o mercado de petróleo ao colapso, à medida que produtores de todo o mundo se preparam para um inesperado excesso do combustível fóssil a partir das próximas semanas.

"O problema é uma guerra de preços em meio a um mercado que já se contraía, com as paredes se fechando", disse Daniel Yergin, historiador norte-americano especializado em energia.

Nesta sexta-feira, as cotações registraram alta, recuperando-se depois de os Estados Unidos e outros países assinarem planos de suporte a economias em enfraquecimento.

No acumulado da semana, porém, o Brent cedeu 25%, maior queda semanal desde a crise financeira global de 2008. O valor de referência internacional fechou esta sexta-feira em alta de 0,63 dólar, a 33,85 dólares por barril.

Os contratos futuros do petróleo dos EUA despencaram cerca de 23% na semana, também maior recuo percentual desde 2008. Nesta sexta-feira, o WTI avançou 0,23 dólar, a 31,73 dólares o barril, depois de ter atingido máxima de 33,87 dólares na sessão.

"Há expectativas de que todos os estímulos estabilizem a economia e compensem parte das preocupações relacionadas ao enfraquecimento da demanda, mantendo partes da economia fortes o suficiente para sustentar os preços do petróleo", disse Phil Flynn, analista do Price Futures Group em Chicago.

(Reportagem adicional de Ron Bousso em Londres, Aaron Sheldrick em Tóquio e Jane Chung em Seul)