Custo dos acidentes de trânsito chega a R$ 295 bilhões por ano, diz estudo da Previdência Social

São mais de 40 mil mortes por ano. Acidentes fatais com motocicleta são os mais comuns

Custo dos acidentes de trânsito chega a R$ 295 bilhões por ano, diz estudo da Previdência Social

O País gasta 5% do PIB com despesas relacionadas a acidentes

O País gasta 5% do PIB com despesas relacionadas a acidentes

Edison Temoteo/22.10.2016/Futura Press/Estadão Conteúdo

Os acidentes de trânsito são a primeira causa de morte na faixa etária de 15 a 29 anos, sendo que os homens representam 80% do total de óbitos. Os dados são da Organização Mundial de Saúde (OMS) e fazem parte de um estudo encomendado pela Secretaria de Políticas de Previdência Social à  Fapetec (Fundação de Apoio à Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Cultura).

“Esse é um problema mundial, mas no Brasil há uma alta frequência, alta gravidade e atinge mais os jovens; isso gera um grande impacto na Previdência, pois, em função de algum grau de incapacidade, receberão benefícios por um longo período e deixarão de contribuir para o sistema”, explicou o diretor do Departamento de Saúde e Segurança Ocupacional (DPSSO), Marco Pérez.

Leia mais notícias de Economia

O estudo foi apresentado ontem, quinta-feira (27), durante reunião do Conselho Nacional de Previdência Social. Dados da pesquisa mostram que o Brasil está em quinto lugar em número de óbitos em decorrência de acidentes de trânsito. Apesar de ter apresentado uma queda a partir de 2010, o país ainda apresenta, em média, 40 mil mortes por ano. O acidente com motocicleta é a primeira causa de óbitos no país, sendo que a Região Nordeste concentra o maior número de ocorrências.

Entre o período de 2003 a 2012, a Previdência gastou R$ 10 bilhões em auxílios-doença e aposentadoria por invalidez e um total de R$ 15,6 bilhões em pensões por morte (valores foram corrigidos pelo IPCA). Estima-se que, no Brasil, o custo total dos acidentes de trânsito para a sociedade representa 5% do PIB, o que equivale a R$ 295 bilhões. Desse total, 2,4% correspondem a custos previdenciários.

“O estudo faz uma estimativa, já que a Previdência registra apenas o diagnóstico, não a causa primária, por isso foram usadas várias bases de dados para chegar ao resultado”, explica Pérez.

Confira aqui todos os dados do estudo “Os Impactos e Custos dos Acidentes de Trânsito para a Previdência Social (2003 – 2012)”.