Novo Coronavírus

Economia Custos na construção crescem 10% em 2020, maior índice em 7 anos

Custos na construção crescem 10% em 2020, maior índice em 7 anos

Segundo o Sinapi, o custo nacional para o setor habitacional por metro quadrado passou para R$ 1.276,40 em dezembro

  • Economia | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Sinapi ganhou ritmo e marcou 1,94% em dezembro, contra 1,82% em novembro, diz IBGE
  • Índice fechou o ano de 2020 com alta de 10,16%, maior taxa desde 2013, início da série
  • Custo nacional para setor habitacional por metro quadrado passou para R$ 1.276,40 em dezembro
  • Pandemia do novo coronavírus explica, em parte, aumento no preço de materiais
Índice que mede custos da construção civil fechou 2020 com alta de 10,16%

Índice que mede custos da construção civil fechou 2020 com alta de 10,16%

27/11/2020. REUTERS/Pilar Olivares

O Sinapi (Índice Nacional de Custos da Construção), divulgado nesta terça-feira (12) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), ganhou ritmo e marcou 1,94% em dezembro, contra 1,82% em novembro.

Leia mais: Inflação da construção perde ritmo, mas imóvel na planta sobe quase 8%

Com o resultado, o índice fechou o ano de 2020 com alta de 10,16%, acumulada ao longo de janeiro e dezembro do ano passado. De acordo com o IBGE, essa foi a maior taxa da série com desoneração desde 2013. Em dezembro de 2019, o resultado para o INCC/Sinapi foi de 0,22%. 

Segundo o IBGE, as estatísticas do SINAPI são fundamentais na programação de investimentos, sobretudo para o setor público. Os preços e custos auxiliam na elaboração, análise e avaliação de orçamentos, enquanto os índices possibilitam a atualização dos valores das despesas nos contratos e orçamentos.

De acordo com o Sinapi, o custo nacional para o setor habitacional por metro quadrado passou para R$ 1.276,40 em dezembro, sendo R$ 710,33 relativos aos materiais e R$ 566,07 à mão de obra. Em novembro, o custo havia sido de R$ 1.252,10.

“A série foi muito impactada, a partir de julho, pelas altas sequenciais das parcelas dos materiais”, explica o gerente da pesquisa, Augusto Oliveira. “Em agosto, percebemos que a parcela dos materiais se descolou da outra parcela que compõe o índice, que é a da mão de obra, exercendo uma influência muito grande sobre o agregado”, acrescenta.

Pandemia

Segundo Oliveira, a pandemia do novo coronavírus explica, em parte, o aumento no preço de materiais, mas as razões, para ele, são diversas. 

“Pequenas obras, feitas em casa, aqueceram o mercado durante a pandemia e esta demanda interferiu na oferta de materiais. Indústrias foram afetadas com limitação de pessoal ou de oferta de matéria prima. Várias situações de mercado, em um período atípico, levaram a um quadro de aceleração dos preços no segmento de materiais e insumos da construção civil, em especial aço, cimento e condutores elétricos, dentre outros”, completa.

Últimas