Economia Déficit do setor público consolidado é menor que esperado em setembro

Déficit do setor público consolidado é menor que esperado em setembro

Dado foi divulgado pelo Banco Central nesta sexta-feira (30) e é influenciado pelo resultado positivo de Estados e municípios

  • Economia | Do R7

Setor público consolidado tem déficit abaixo do esperado em setembro

Setor público consolidado tem déficit abaixo do esperado em setembro

Reuters

O setor público consolidado brasileiro teve déficit primário de R$ 64,56 bilhões em setembro, divulgou o Banco Central nesta sexta-feira (30), dado abaixo do esperado e influenciado pelo resultado positivo de Estados e municípios. Em pesquisa Reuters, a expectativa era de déficit de R$ 74,2 bilhões para o mês.

O rombo do governo central (governo federal, BC e Previdência) foi de R$ 75,15 bilhões no período, novamente impactado pelos gastos extraordinários no enfrentamento à pandemia de coronavírus.

Enquanto isso, Estados e municípios tiveram superávit de 9,96 bilhões de reais e as empresas estatais ficaram no azul em R$ 628 milhões.

Nos nove primeiros meses do ano, o déficit do setor público consolidado foi a R$ 635,93 bilhões e, em 12 meses, o rombo foi de R$ 655,31 bilhões, equivalente a 9,08% do PIB (Produto Interno Bruto).

A projeção mais recente do Ministério da Economia é de um déficit do setor público consolidado de R$ 895,8 bilhões para o setor público consolidado (12,5% do PIB) neste ano, mas o dado será atualizado em coletiva de imprensa.

Em setembro, a dívida pública bruta saltou a 90,6% do PIB, sobre 88,8% em agosto, renovando assim seu novo recorde histórico. A expectativa do mercado, segundo pesquisa Reuters, era de que fosse a 90,3% do PIB.

No acumulado do ano, o indicador, considerado principal parâmetro da saúde fiscal do país, já teve uma alta de 14,8 pontos percentuais, sendo que as emissões líquidas de dívida responderam por 9,1 pontos desse crescimento, ressaltou o BC.

A dívida líquida, por sua vez, foi a 61,4% do PIB em setembro, ante 60,7% no mês anterior e abaixo da projeção de analistas de 61,8% do PIB.

Últimas