Déficit em conta corrente soma US$ 11,879 bilhões em janeiro, revela BC

Após o déficit de US$ 50,762 bilhões acumulados em todo o ano de 2019, o Brasil registrou em janeiro de 2020 um rombo de US$ 11,879 bilhões na conta de transações correntes, informou nesta sexta-feira, 21, o Banco Central. A instituição projetava para o mês passado déficit de US$ 8,7 bilhões na conta corrente.

O número efetivo do mês passado ficou dentro do levantamento realizado pelo Projeções Broadcast, que tinha intervalo de déficit de US$ 14,196 bilhões a déficit de US$ 9,000 bilhões, mas acima da mediana, que era negativa em US$ 11,000 bilhões. O rombo de US$ 11,879 bilhões de janeiro é o pior resultado para o mês desde 2015, quando houve déficit de US$ 12,011 bilhões.

A balança comercial registrou saldo negativo de US$ 2,563 bilhões em janeiro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,659 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária, em US$ 6,766 bilhões. No caso da conta financeira, o resultado ficou negativo em US$ 12,028 bilhões.

A estimativa do BC, conforme o último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), é de déficit em conta corrente de US$ 57,7 bilhões em 2020.

Já nos 12 meses até janeiro deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 52,285 bilhões, o que representa 2,85% do Produto Interno Bruto (PIB).

IDP

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 5,618 bilhões em janeiro, informou o Banco Central. O resultado ficou dentro das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 4,500 bilhões a US$ 6,500 bilhões, com mediana de US$ 5,100 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central, o IDP de janeiro indicaria entrada de US$ 5,000 bilhões.

A estimativa do BC para este ano, conforme o último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), é de IDP de US$ 80,0 bilhões em 2020.

No acumulado dos 12 meses até janeiro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 78,350 bilhões, valor que representa 4,26% do Produto Interno Bruto (PIB).