Novo Coronavírus

Economia Desemprego recua, mas país ainda tem 13 milhões sem trabalho

Desemprego recua, mas país ainda tem 13 milhões sem trabalho

Apesar de queda em relação à semana anterior, IBGE diz que mais pessoas estavam sem emprego na 1ª semana de setembro do que na 1ª de maio

  • Economia | Giuliana Saringer, do R7

Brasil tinha 82,3 milhões de empregados no período

Brasil tinha 82,3 milhões de empregados no período

Eduardo Matysiak/ Futura Press/ Estadão Conteúdo - 28.07.2020

O desemprego recuou na primeira semana de setembro, mas o Brasil ainda tem 13 milhões de pessoas sem trabalho, segundo a Pnad Covid, divulgada nesta sexta-feira (25) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa de desocupação ficou em 13,7%. 

Na semana anterior, país tinha 13,7 milhões de desempregados -- número que representava uma taxa de 14,3% da população economicamente ativa.

No entanto, havia mais pessoas sem empregos na primeira semana de setembro do que no início de maio, quando a pesquisa do IBGE começou a ser feita. Na época, havia 9,8 milhões nesta situação. 

Governo pede 15 dias para avaliar prorrogação do seguro-desemprego

O número de pessoas empregadas ficou estável em 82,3 milhões frente a 82,2 milhões na semana anterior. A semana considera os dados de 30 de agosto a 5 de setembro.

A coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira, diz que há sinais de recuperação desde meados de julho. “Essa recuperação recente vem se dando especialmente entre os trabalhadores informais (28,5 milhões), que foram os mais atingidos no início da pandemia”, afirmou.

Afastamento do trabalho 

A população ocupada e não afastada do trabalho ficou em 76,8 milhões. Do total, 8,3 milhões (10,8%) trabalhavam de forma remota. Esse contingente ficou estável frente à semana anterior (8,3 milhões ou 10,9%).

Já 3,4 milhões de pessoas estavam afastadas do trabalho por causa das medidas de isolamento social. 

Últimas