Economia Disparam encomendas de robô brasileiro que alimenta suínos enquanto toca música clássica

Disparam encomendas de robô brasileiro que alimenta suínos enquanto toca música clássica

COMMODS-PORCOS-ROBO:Disparam encomendas de robô brasileiro que alimenta suínos enquanto toca música clássica

Reuters - Economia

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A demanda por um robô brasileiro que alimenta suínos enquanto toca música clássica disparou neste ano, em um momento em que os criadores buscam cortar custos em meio à pandemia de Covid-19.

A Roboagro, empresa de Caxias do Sul que vende a engenhoca, disse em um comunicado enviado à Reuters nesta quinta-feira que os pedidos aumentaram em média 400%, para 60 unidades por mês.

A máquina que alimenta os animais, acomodados baias, garante que eles recebem a quantidade exata de ração em cada refeição. Enquanto avança entre os compartimentos, o robô toca música clássica, o que a empresa afirma aliviar o estresse dos porcos em fase de engorda.

O diretor da Roboagro, Giovani Molin, afirmou em nota que o robô reduz a presença de humanos nas criações de porcos, além de gerar dados que ajudam a melhorar o gerenciamento geral do rebanho.

A ração corresponde por até 75% dos custos de produção de suínos, e cada centavo conta em meio a uma forte alta nos preços dos grãos, devido à demanda aquecida.

Segundo a Roboagro, os produtores que utilizam a tecnologia podem melhorar o índice de conversão alimentar dos animais, aumentando o seu rendimento. O robô pode gerar uma economia anual de cerca de 40 mil reais a cada lote de mil animais, disse a empresa, em cálculo que não inclui custos de mão de obra.

A Roboagro afirma que seu robô é utilizado em cerca de 500 granjas no Brasil, incluindo fornecedoras de grandes frigoríficos, como a JBS e a BRF, que enfrentaram surtos de Covid-19 em suas instalações.

O Brasil, um grande produtor de proteína animal, aumentou o volume de exportações de carne suína em 40% nos dez primeiros meses deste ano. Esse comércio gerou 1,87 bilhão de dólares em receita, alta de quase 50%, diante da firme demanda chinesa.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

Últimas