Dívida média do brasileiro chega a R$ 3.422,29, aponta pesquisa do SPC Brasil

Quase 60% dos consumidores nem sabe quanto está devendo, 43% ficaram com dívidas no cartão

Valor médio da dívida é de quase quatro salários mínimos

Valor médio da dívida é de quase quatro salários mínimos

Getty Images

O valor médio de envidamento do brasileiro é de R$ 3.422,29, segundo a pesquisa do SPC Brasil, divulgada hoje (29). O valor corresponde a 3,8 vezes o valor do salário mínimo nacional (R$ 880).

A pesquisa aponta também que 58,9% dos entrevista não sabem o valor que estão devendo e que 36% não sabe a quantidade de empresas e concessionárias de serviços públicos para que devem.

O principal motivo de endividamento, de acordo com a pesquisa, é o cartão de crédito. Cerca de 43,4% dos entrevistados ficaram com o nome sujo porque atrasaram a fatura do cartão.

Leia mais notícias de Economia

As principais justificativas para a falta de pagamento dessas contas foram o desemprego (29,2%) e a redução da renda (14,6%). De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, os dois fatores conjugados pioram ainda mais a situação do orçamento dos brasileiros. “A atual conjuntura econômica está causando uma alta no número de desempregados e minando o poder de compra dos brasileiros devido à inflação elevada e as altas taxas de juros”, explica.

Com a inadimplência batendo à porta dos brasileiros, os setores que mais sofreram cortes para o pagamento das contas em atraso são o de lazer (41,2%), roupas e calçados (38,6%) e alimentação fora de casa (27,5%). A prioridade de pagamento das dívidas atrasadas é das que possuem a maior taxa de juros (37,2%), seguidas pelas que possibilitam a manutenção do consumo por serem utilizadas para o parcelamento de novas compras, ou seja, o cartão de crédito, os cartões de loja e o crediário (22,9%).

Renegociação

De acordo com os dados, a estratégia mais adotada pelos entrevistados para quitar suas dívidas foi a tentativa de um acordo com o credor, para 57,1%, tendo sido feitos em média 2,5 contatos. No entanto, quando investigadas as maiores dificuldades enfrentadas para limpar o nome, o acordo com o credor também está em primeiro lugar, (36,3%) o que demonstra a dificuldade dos devedores no processo de negociação para o pagamento da dívida.

Segundo a economista, as propostas feitas pelas empresas credoras às vezes são incompatíveis com as possibilidades de pagamento dos entrevistados. “Ainda que os descontos negociados sejam consideráveis, podem ser insuficientes e os consumidores podem acabar em um ciclo vicioso de contrair novas dívidas e empréstimos para quitá-las”, diz Kawauti. “As altas taxas de juros do mercado merecem atenção dos brasileiros, que devem ponderar os valores de cada crédito contratado e sua capacidade de honrar os pagamentos.”

Na percepção dos entrevistados, a situação de inadimplência é resolvida, na média, em 16 meses e a intenção de pagamento é motivada principalmente por essa ser considerada uma atitude correta (65,0%). Porém, apenas 51,5% dos entrevistados acreditam que ter o nome limpo é importante, independente de qualquer situação ou contexto.