Economia Dólar toca R$4,02 pela 1ª vez no ano com dados fracos de China e EUA

Dólar toca R$4,02 pela 1ª vez no ano com dados fracos de China e EUA

Moeda norte-americana acelerou a alta após dados que mostraram uma queda de 0,2% nas vendas no varejo dos EUA em abril

Dólar toca R$4,02 pela 1ª vez no ano

Dólar chegou a R$ 4,02 nesta quarta-feira (15)

Dólar chegou a R$ 4,02 nesta quarta-feira (15)

Jose Luis Gonzalez/Reuters - 12.2.2018

O dólar subia ante o real nesta quarta-feira (15), tendo superado o patamar de R$ 4,02 pela primeira vez no ano, em meio à renovada aversão ao risco após a divulgação de dados fracos sobre a economia chinesa e queda inesperada nas vendas no varejo dos Estados Unidos em abril.

Às 10:18, o dólar avançava 1,02%, a R$ 4,0163 na venda. Na máxima da sessão, a moeda tocou R$ 4,0225. O dólar futuro ganhava cerca de 1% neste pregão.

Na véspera, a moeda norte-americana encerrou com variação negativa de 0,09%, a R$ 3,9758 na venda.

Leia mais: 'Prévia do PIB' recua no primeiro trimestre do ano, diz Banco Central

A moeda norte-americana acelerou a alta após dados que mostraram uma queda inesperada de 0,2% nas vendas no varejo dos EUA em abril, enquanto pesquisa Reuters projetava aumento de 0,2%.

Mais cedo, o dólar já era impulsionado por dados que mostraram que o crescimento das vendas no varejo e na produção industrial da China de abril foi inesperadamente fraco.

"A frustração das expectativas faz preço e se soma ao cenário de alta tensão no âmbito comercial, alimentando a falta de 'coragem' de investidores em ensaiar uma recuperação mais expressiva dos principais ativos de risco globais após delicadas sessões recentes", disse a corretora H.Commcor em nota.

No entanto, a expectativa de que o governo chinês atuará com novas medidas de estímulo, pressionado também pela guerra comercial com os EUA, traz certo alívio e, se confirmadas tais medidas, podem beneficiar ações e moedas emergentes.

A disputa comercial ainda permanece no radar, mas fica em segundo plano após declarações conciliatórias do presidente norte-americano Donald Trump, na véspera.

Veja também: Dólar fica mais caro pela 5ª semana seguida, cotado a R$ 3,94

Do lado doméstico, o mercado segue monitorando o noticiário político em dia que deverá ser marcado por manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro devido a cortes nas verbas das universidades públicas.

No fim da terça-feira (14), parlamentares da oposição e do centrão se uniram e conseguiram aprovar uma convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que deverá ir à Câmara para explicações sobre o contigenciamento.

"Toda a história com o ministro da Educação, com a possibilidade de greve por conta do corte no MEC e a decisão unânime da Câmara em chamá-lo sugere mais um ponto de fraqueza do governo", afirmou a estrategista de câmbio do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte.

Bolsonaro e alguns de seus ministros, incluindo o da Economia, Paulo Guedes, viajam aos Estados Unidos nesta quarta-feira (15).

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 5,05 mil swaps cambiais tradicionais, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento de julho, no total de US$ 10,089 bilhões.