Economia brasileira deve ganhar injeção de R$ 173 bilhões com pagamento do 13º salário

Quase 85 milhões de brasileiros deverão receber o rendimento extra, segundo estudo do Dieese

Primeira parte do 13º salário deve ser paga ainda em novembro
Primeira parte do 13º salário deve ser paga ainda em novembro Getty Images

O pagamento do 13º salário, cuja primeira parcela vai cair na conta dos brasileiros contratados com carteira assinada ainda em novembro, vai injetar um montante de R$ 173 bilhões na economia brasileira até dezembro de 2015.

O dado consta de uma pesquisa do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) divulgada nesta quarta-feira (11).

Esse total representa, aproximadamente, 2,9% do PIB (Produto Interno Bruto, que é a soma de todas as riquezas do Brasil). Ao todo, 84,4 milhões de brasileiros deverão receber o rendimento adicional em 2015. O valor médio do benefício será de R$ 1.924, segundo estimativas do Dieese.

Leia mais notícias de Economia

Segundo o instituto, "o maior valor médio para o 13º deve ser pago no Distrito Federal — R$ 3.590 — e o menor, é encontrado nos Estados do Maranhão e Piauí — ambos com média próxima a R$ 1.300".

Entre esses 84,4 milhões de brasileiros que têm direito ao 13º salário, cerca de 33,6 milhões (ou 38,6% do total) são aposentados ou pensionistas do INSS (Previdência Social). Já os empregados formais totalizam 50,8 milhões e correspondem a 60,2% do total. Há também os empregados domésticos com carteira assinada, que são 1,916 milhão — o equivalente a 2,3% do total.

Considerando valores absolutos, do total a ser pago a título de 13º salário, pouco mais de 29,7% dos R$ 173 bilhões — cerca de R$ 51,5 bilhões — serão pagos aos aposentados e pensionistas. Somente os beneficiários do INSS vão receber R$ 32,7 bilhões. Outros R$ 121,7 bilhões, ou 70,3% do total, vão para o bolso dos outros empregados formalizados, incluindo os domésticos.

Os aposentados e pensionistas da União vão ganhar cerca de R$ 8 bilhões, enquanto os aposentados e pensionistas dos Estados terão R$ 8,6 bilhões a mais e aposentados e pensionistas dos regimes próprios dos municípios devem embolsar outros R$ 2,1 bilhões.