Inflação

Economia Economia registra menor inflação no ano desde 1998

Economia registra menor inflação no ano desde 1998

Prévia da inflação, IPCA-15 tem variação de 0,11% em setembro 

  • Economia | Diego Junqueira, do R7

Passagens aéreas subiram 21,3% no mês

Passagens aéreas subiram 21,3% no mês

Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo – 8.9.2017

A economia brasileira registrou inflação de 0,11% entre os dias 15 de agosto e 15 de setembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (21) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). É o menor índice para um mês de setembro desde 2006, quando ficou em 0,05%.

O IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15) é o indicador do IBGE que mede a inflação entre o dia 15 do mês anterior e o dia 15 do mês atual, calculado em 11 cidades brasileiras.

A inflação de 0,11% registrada até agora em setembro está abaixo do registrado em agosto (0,35%) e do índice de setembro de 2016 (0,23%). 

No acumulado do ano, o IPCA-15 foi de 1,90%, bem abaixo dos 5,90% registrados no mesmo período do ano passado. É a menor inflação acumulada desde 1998, quando o índice foi de 1,63%, segundo o IBGE.

Para os últimos 12 meses (outubro de 2016 a setembro de 2017), o índice foi de 2,56%, abaixo dos 2,68% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Também foi o menor indicador do período desde 1998, quando os 12 meses terminados em setembro registraram variação média de 2,45% nos preços.

Das 11 cidades analisadas, quatro registraram deflação (queda na média geral dos preços): Recife (-0,09%), Fortaleza (-0,24%), Salvador (-0,19%) e Goiânia (-0,29%).

Setor de transporte teve maior alta

Na análise do IPCA-15 por setor da economia, a maior variação foi a do grupo "transportes" (1,25%), puxado pela alta de 21,3% nas passagens aéreas e de 3,43% nos combustíveis — sendo 3,76% para gasolina e 2,57% para etanol. Os gastos com transporte correspondem a 18% das despesas das famílias.

Já o setor da economia que mais puxou a inflação para baixo foi o de "alimentação e bebidas", que representa 25% dos gastos das famílias. A média de preços desse grupo caiu 0,94% entre 15 de agosto e 15 de setembro, com destaque para a redução nos preços do tomate (-20,94%), feijão-carioca (-11,67%), alho (-7,96%), açúcar cristal (-4,71%) e leite longa vida (-3,83%).

Mas se comer em casa ficou mais barato (-1,54%), fazer a refeição fora, por outro lado, ficou 0,14% mais caro, com a maior alta em Salvador (0,90%) e a maior baixa em Curitiba (-1,50%), segundo o IBGE. 

O IPCA-15 calcula o consumo das famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador, Curitiba, Brasília e Goiânia. A metodologia é a mesma do IPCA, que mede a inflação oficial, com diferença apenas no período de coleta dos dados.

Veja a inflação registrada nas 11 cidades brasileiras:

Brasil: 0,11%

Rio de Janeiro: 0,30%

Porto Alegre: 0,22%

Belo Horizonte: 0,15%

Recife: -0,09%

São Paulo: 0,11%

Brasília: 0,69%

Belém: 0,08%

Fortaleza: -0,24%

Salvador: -0,19%

Curitiba: 0,12%

Goiânia: -0,29%

Últimas