Coronavírus

Economia Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista de banco

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista de banco

Esse crescimento, segundo ele, do ponto de vista dos setores, não será linear. Setor de serviços será o último a se recuperar

Agência Estado
Setor de serviços será o último a se recuperar, diz economista

Setor de serviços será o último a se recuperar, diz economista

MISTER SHADOW/ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

O economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, entende que a economia voltará a retomar a trajetória do crescimento a partir do segundo semestre. No entanto, de acordo com ele, este crescimento, do ponto de vista dos setores, não será linear. Neste contexto, de acordo com Honorato, o setor de serviços será o último a se recuperar.

Leia mais: Adiamento do IR: veja as vantagens de entregar a declaração antes

Com o isolamento social, de acordo com o economista, ocorreu uma realocação dos gastos de fora para dentro dos domicílios. Ou seja, as pessoas passaram a gastar menos com restaurantes, por exemplo, e focaram em alimentos para preparo em casa.

Por isso, segundo Honorato, no curto prazo, os indicadores de inflação passarão a sofrer pressões de alimentação no domicílio e de produtos de higiene, mas deixará de sofrer pressão dos serviços.

Leia mais: Câmara vai tentar votar orçamento de guerra em 2 turnos hoje

Passada a fase de isolamento, "os gastos com serviços voltarão mais lentamente", avalia Honorato. Do ponto de vista da inflação, segundo o chefe do Departamento do Bradesco, o BC terá espaço para reduzir mais a Selic.

"Mas quanto mais o BC reduzir a Selic agora, mais ele terá que aumenta-la lá na frente", disse o economista. O momento é crítico, é para o governo gastar mais, mas segundo Honorato, o momento é também para se manter a calma.

Últimas