Economize 13º salário: como usar o dinheiro extra no Natal e evitar exageros?

13º salário: como usar o dinheiro extra no Natal e evitar exageros?

Para aproveitar as festas sem comprometer orçamento, especialistas pregam equilíbrio no momento das compras de presentes e itens para a ceia

  • Economize | Pietro Otsuka, do R7

Como usar 13º no Natal sem exagerar nos gastos?

Como usar 13º no Natal sem exagerar nos gastos?

Arte/R7

Com a chegada do fim de ano, o brasileiro aguarda ansioso pelo recebimento do 13º salário, um importante alívio financeiro para o orçamento familiar. Neste ano tão atípico, consequência da pandemia do novo coronavírus, muitas famílias devem utilizar o dinheiro para as compras de Natal, seja para os presentes ou para os alimentos da ceia.

Veja também: 13º salário: como usar o dinheiro extra e não passar por apertos?

No entanto, segundo Arthur Igreja, professor da FGV (Fundação Getúlio Vargas), é necessário também saber equilibrar as compras do período natalino com as despesas de casa, sem comprometer o orçamento das famílias. 

Leia mais: Ceia de Natal está mais cara puxada pela alta no preço dos alimentos

"Cada pessoa e família têm uma necessidade diferente, com a situação econômica em declínio, reflexo da pandemia, muitos se organizarão de outra maneira, priorizando o pagamento de dívidas ao invés de comprar presentes caros e que prejudiquem o orçamento familiar", afirma Igreja.

Pensando nisso, o R7 Economize conversou também com a educadora financeira Teresa Tayra, em busca de elaborar dicas de como utilizar o 13º salário da melhor forma neste Natal, sem comprometer o orçamento das famílias. 

Criar sua reserva de emergência

Teresa afirma que, em 2020, muitas pessoas sentiram na pele a necessidade de guardar dinheiro, afim de evitar apertos e contornar possíveis emergências.

Para 2021, um dos destinos para o dinheiro extra deve ser para a criação de uma reserva financeira.

"Reserve uma parte de seu 13º para isso", aconselha Teresa. 

Planeje as compras

Teresa recomenda que se evite compras "compulsivas ou imediatistas".

"Verifique quando o desejo foi algo planejado, você já fez pesquisas de preço, já buscou promoções e não por influência da moda", explica a educadora financeira. 

"Veja se agora é a oportunidade de realizar a compra de algo que você havia planejado", complementa. 

Não se empolgar com o dinheiro extra é fundamental, segundo Arthur Igreja.

"Com relação à compra de presentes, é fundamental não se empolgar e lembrar que o início do ano vem acompanhado de IPVA, IPTU e para quem tem filhos, matrículas em escola e compra de material escolar", diz o professor da FGV. 

Pague dívidas

Quitar dívidas com a ajuda do 13º é um movimento inteligente para ter um pontapé em 2021 mais tranquilo para o orçamento familiar.

"Ao receber o 13º, o trabalhador deve priorizar o pagamento de dívidas, comprar os presentes de natal e investimento, nessa ordem. Caso esteja endividado, o ideal é que o abono seja 100% investido para pagamento das dívidas, o que alivia o bolso no futuro e se torna uma preocupação a menos", recomenda Igreja. 

Para Teresa, quitar dívidas faz parte das boas realizações.

"Quite suas dívidas com a consciência dos aprendizados. O mau uso do cartão, perder o controle usando os limites de crédito, viver em um padrão acima da sua renda são alguns dos aprendizados mais comuns. Evite os mesmos comportamentos no futuro", aponta a educadora financeira. 

Avalie o cardápio

Mais especificamente sobre a ceia de Natal, Teresa recomenda que as famílias pensem em alternativas mais em conta e mais saudáveis para o cardápio.

"Procure um prato novo que possa entrar na sua ceia esse ano. Na internet existem inúmeras receitas criativas e alternativas. Aproveite e faça sua pesquisa", afirma Teresa. 

Para Igreja, por conta do número reduzido de convidados na celebração do Natal, consequência do isolamento social, os gastos com alimentos já ficarão menores para as famílias. No entanto, pesquisar pratos e produtos alternativos é uma saída. 

"Pesquisar produtos alternativos aos tradicionais peru e chester, por exemplo, é uma boa opção. Frutas frescas ao invés das secas e das oleoginosas também dão um respiro ao bolso", diz Igreja.

Faça pratos compartilhados

Outra dica para fugir da alta no preço dos alimentos é sugerir que cada convidado traga um prato para compartilhar na ceia.

"A pandemia do novo coronavírus afetou o orçamento de muita gente. Converse com os convidados e combinem de cada um levar um prato. Se você é o responsável pela preparação da ceia, é interessante dividir o gasto total entre os convidados ou cada família assume a compra de cada item", sugere Teresa.

Criatividade na cozinha

O brasileiro é criativo por natureza, seja na hora de escolher um presente ou nos momentos de buscar soluções diferentes.

"Use a criatividade também na cozinha. O prato pode ser o mesmo, mas você pode substituir um dos itens ou trocar por uma marca alternativa. Veja se dá para fazer você mesmo um produto que você compraria industrializada", recomenda Teresa.

Últimas