Economize Ações da Petrobras são rebaixadas e corretora recomenda venda

Ações da Petrobras são rebaixadas e corretora recomenda venda

Preço dos papeis  PETR4 e PETR3 também foi revisado e caiu de R$ 32 para R$ 24. Troca de presidente motivou análise

  • Economize | Do R7 com AE

Petrobras, gasolina, diesel, postos de gasolina, postos

Petrobras, gasolina, diesel, postos de gasolina, postos

02/05/2019 REUTERS/Diego Vara

Dois dias depois de o presidente Jair Bolsonaro indicar o general Joaquim Silva e Luna para a presidência da Petrobras, a XP Investimentos rebaixou sua recomendação para as ações da estatal de neutra para venda. O preço dos papeis PETR4 e PETR3 também foi revisado para R$ 24, dos anteriores R$ 32.

Em relatório distribuído neste domingo (21), o analista Gabriel Francisco atribuiu a alteração à sinalização negativa em termos da perspectiva de governança da estatal e à atual gestão de preços com o anúncio de substituição do presidente da companhia.

"Vemos esse anúncio como uma sinalização negativa, tanto de uma perspectiva de governança, dados os riscos para a independência de gestão da Petrobras, quanto também por implicar riscos de que a companhia continue a praticar uma política de preços de combustíveis em linha com referências internacionais de preços, ou seja, que reflitam as variações dos preços de petróleo e câmbio", diz Francisco.

Segundo a XP, existem muitas incertezas para justificar uma tese de investimento na Petrobras.

"Acreditamos que as ações deverão daqui em diante negociar com um desconto mais alto em relação ao histórico e a outras petroleiras globais."

Relatório XP

Francisco nota ainda que "as incertezas para a política de preços de combustíveis da Petrobras implicam uma menor correlação das ações em relação aos preços do petróleo daqui para frente, dados os riscos de que não sejam totalmente repassados aos preços dos combustíveis.

Com isso, esperamos uma deterioração nos resultados no futuro, não apenas devido às margens de refino mais baixas, mas também devido aos riscos que a Petrobras deva realizar importações de combustível com prejuízo para evitar qualquer risco de desabastecimento no mercado local".

Últimas