Arroz, feijão e ovo estão caros, mas há opções mais em conta. Confira!

Substituir itens com preço alto por frutas, legumes e vegetais da estação e comprar em menor quantidade ajudam consumidor a economizar

Arroz pode ser substituído por outros carboidratos, e o feijão por outros grãos

Arroz pode ser substituído por outros carboidratos, e o feijão por outros grãos

Julia Chequer/15.06.2016/Folhapress

O tradicional prato do brasileiro está mais caro. O arroz e o feijão estão entre os vilões da inflação de agosto, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Leia mais: Gasolina e alimentos pressionam inflação em agosto, diz IBGE

O preço do arroz subiu 3,08% no mês passado e acumula alta de 19,25% no ano. O do feijão, dependendo do tipo e da região, já tem inflação acima dos 30%.

O feijão preto, muito consumido no Rio de Janeiro, acumula alta de 28,92% no ano e o feijão carioca, de 12,12%.

A cebola, muito utilizada no tempero dos pratos nacionais, foi o segundo alimento que mais teve alta nos preços no mês (50,40%).

Leia mais: Cebola, batata e feijão estão mais caros. Veja opções para substituí-los

Para completar, o ovo, comum em muitas mesas das famílias brasileiras, aumentou 7,13% em 2020. E os preços das carnes registraram alta de 3,33%.

Com o preço nas alturas, como manter o valor nutritivo dos pratos sem afetar o bolso?

Em geral, passando ou não por um período de aumento no preço dos alimentos, temos de dar mais atenção para os produtos da safra, orienta André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

“Os itens da safra são mais baratos porque temos uma oferta maior. É fácil para identificar. O produto que estiver em várias bancas da feira e com o melhor preço é o da época”
André Braz

O economista também sugere que não é preciso abrir mão do produto que gosta por estar mais caro.

“Se você tinha o hábito de comprar um quilo, compra meio. É uma forma de você fazer com que a oferta aumente e o preço caia.”

O que fortalece a inflação, frisa Braz, é comprar o produto em quantidade mesmo com o preço alto.

Leia mais: Preço do arroz deve cair nas próximas semanas, prevê Conab

“Ao deixar de consumir ou comprar menos, o preço vai caindo. Se o produto for perecível, então, o valor diminui ainda mais rápido.”

A pedido do R7 Economize, as nutricionistas Adriana Stavro e Camila Ricioli prepararam uma lista com itens que podem substituir o arroz, o feijão, a cebola e o ovo sem alterar o valor nutritivo do seu prato.

Vejam as opções:

Arroz

Dos quatro itens, o arroz é o que tem mais alternativas para trocar no cardápio:

• Abóbora;
• Batata inglesa
• Batata-doce;
• Couscous marroquino
• Cuscuz de milho
• Inhame;
• Macarrão;
• Mandioca;
• Mandioquinha (apesar de nem sempre estar mais barata); e
• Quinoa.

Feijão

• Lentilha;
• Ervilha; e
• Outros tipos de feijão: vermelho, branco, fradinho, de corda etc.

Cebola

• Alho;
• Alho-poró;
• Cebolinha;
• Louro;
• Orégano; e
• Salsinha.

Ovo

• Queijo; e
• Sardinha.

Carne

Quem não dispensa um pedaço de carne no cardápio, a solução é buscar cortes mais baratos. Duas opções, são:

• Acém; e
• Músculo.

Leia mais: Com a carne em alta, veja proteínas mais em conta para o seu cardápio

Camila diz que o arroz com feijão é um prato super nutritivo, principalmente, se for um arroz integral, mas que podem ser substituídos.

Ela ressalta que é importante inserir outros tipos de alimentos. Quanto mais variada for a alimentação melhor.

“Temos as raízes como, por exemplo, mandioca e batata-doce, com tanta facilidade que seria uma ótima substituição.”
Camila Ricioli

Adriana reconhece que o arroz com feijão é uma dupla difícil para substituir. “Não dá para colocar o macarrão com o feijão, por exemplo.”

No entanto, ela reconhece que com o preço nas alturas é o momento de substituí-

“Sempre que nos deparamos com um preço muito alto, é uma boa oportunidade para variar no cardápio.”

Adriana dá algumas dicas para incrementar o cardápio para reduzir o consumo do arroz com feijão:

• Abóbora assada;
• Abobrinha recheada.
• Carne assada com legumes;
• Escondidinho de abóbora;
• Macarrão com brócolis;
• Sopa de ervilha;

Assim como Braz, Adriana sugere que o consumidor invista em frutas, legumes e verduras da época. “Além de serem mais frescas e saborosas, são mais baratas.”

Setembro, segundo ela, é o mês para se comprar:

Frutas

• Abacaxi;
• Banana;
• Caju;
• Jabuticaba;
• Maçã;
• Mexerica;
• Pera; e
• Tangerina.

Legumes

• Abóbora;
• Abobrinha;
• Cogumelo;
• Ervilha;
• Inhame;
• Mandioca;
• Pimentão; e
• Rabanete

Verduras

• Alho-poró;
• Almeirão;
• Brócolis;
• Chicória;
• Couve;
• Couve-flor;
• Erva-doce;
• Espinafre;
• Louro; e
• Orégano.

Desperdício do arroz é absurdo, diz nutricionista

Adriana alerta que em momentos de alta dos alimentos, é um bom período para as pessoas refletirem sobre o desperdício.

“O arroz é o item que mais sobra nos pratos tanto fora quanto dentro de casa. As pessoas colocam muito arroz no prato e acabam deixando. Dificilmente você vê sobras de proteína, por exemplo.”

Leia mais: Supermercados estão empenhados em reduzir preços, afirma Bolsonaro

A nutricionista sugere que os restaurantes também repensem a forma de montar os pratos.

“Coloque menos arroz nos pratos e avise que se quiser mais é só pedir. Não é feio repetir, mas é importante não desperdiçar.”