Cartão de débito ou cartão de crédito? Entenda quando e como utilizar

Ambas as modalidades trazem vantagens, mas antes de sair gastando sem controle, veja as dicas da especialista Sophia Camargo

Saiba fugir das armadilhas do pagamento facilitado

Saiba fugir das armadilhas do pagamento facilitado

Pixabay

Todo mundo concorda que realizar um pagamento por meio de cartão é fácil e rápido. Os meios eletrônicos tornam a vida do consumidor cada vez mais prática e é por esse motivo que a atenção deve ser redobrada. Quanto mais simples o processo, no débito ou no crédito, maior o perigo de cair na tentação de comprar por impulso.

Identificar as armadilhas e manter a organização é a melhor maneira de adquirir bens, materiais e serviços sem comprometer a saúde financeira. “E mental”, como explica a jornalista especializada em finanças Sophia Camargo, responsável pelo blog O que é que eu faço, Sophia?. “Antes de usar qualquer cartão e começar a gastar, é importante ter um orçamento que indique seus custos fixos e sua receita. Muita gente se engana fazendo tudo de cabeça, achando que tem mais dinheiro disponível do que pensa, e acaba levando um susto na hora de pagar o cartão de crédito”, analisa.

Quem nunca levou um susto com o valor exorbitante de uma fatura, resultado do acúmulo de várias pequenas compras? Para evitar surpresas desagradáveis como essa, Sophia aconselha “anotar tudo que se gasta durante o mês. Se desconfiar que está gastando mais do que pode, trace uma estratégia efetiva e corte os gastos extras”.

Leia mais: Simule seu investimento na CM Capital

Dupla função

Ambas as modalidades exigem atenção na hora da compra

Ambas as modalidades exigem atenção na hora da compra

Pixabay

Débito e crédito são modalidades distintas que podem ou não estar habilitadas em um mesmo cartão, fornecido por bancos e outras instituições financeiras. Em geral, a primeira modalidade já vem disponível por padrão. “Com o cartão de débito não tem conversa, se o dinheiro não estiver na conta a compra não é autorizada”, explica a especialista. “É um instrumento que pode ser utilizado para conseguir descontos nas compras à vista, a maior vantagem sob o meu ponto de vista. Já aconteceu comigo, antes da quarentena [frisa], ir até a loja e conseguir com o vendedor um desconto ainda maior por decidir pagar à vista, no débito”, lembra.

Embora o poder de barganha aumente numa situação como essa, ela reforça que é fundamental ter o controle sobre suas finanças pessoais. “Não dá pra comprar tudo que ‘dá na telha’, um perigo quando se fala em pagamento no cartão”. Bem-humorada, ela afirma que usar o cartão dá menos “dor no coração” do que pagar em dinheiro. “Há um fator psicológico na utilização do cartão em vez do dinheiro: temos menos ‘pena’ de gastar no cartão do que pagar em dinheiro. Se temos uma nota de R$ 100 na carteira, por exemplo, pode reparar que ela demora mais para ser gasta, porque ao usar temos a impressão de que estamos ficando ‘mais pobres’. O que não acontece com o cartão”.

É necessário ter o dobro de vigilância, nesse caso. É importante sempre conferir o saldo disponível na conta, avaliar se a intenção de compra está dentro do orçamento e pesar o fator impulsividade. Mas e quanto ao crédito, vale a pena utilizar a modalidade ou é uma fria?

Controle absoluto
Sophia pondera que há vantagens, sim. “Por oferecer até 40 dias para pagar, o cartão de crédito pode ser usado até mesmo para concentrar todos os pagamentos. Mas indico essa opção apenas para quem tem total controle financeiro. Esse método permite que a pessoa tenha a vantagem de acumular mais pontos em programas de benefícios, como descontos em viagens, compras, milhas aéreas”, enumera.

“É também um instrumento para conseguir parcelar compras maiores, caso a pessoa não tenha o valor total disponível para comprar à vista. Porém, é muito importante pagar a fatura inteira na data do vencimento e nunca descuidar das parcelas. Essa é uma das piores dívidas a se fazer”, avisa.

Ela evita apontar um perfil mais adequado à utilização de débito ou crédito. “Ambos os meios de pagamento podem ser usados com sucesso. O mais importante é ter controle de sua vida financeira, para poder dispor do instrumento mais adequado no momento certo. Uma pessoa extremamente descontrolada com dinheiro não deveria usar o cartão de crédito para não se endividar”. Simples assim.

Uma dica importante para quem opta pelo pagamento no cartão de crédito é anotar as compras parceladas em uma planilha. Isso ajuda a não esquecer as dívidas já contraídas e nem a data de vencimento da fatura, sem falar no comprometimento do limite total. “Limite de cartão de crédito não é renda extra!”, avisa Sophia.

Seguindo esses passos simples, fica mais fácil aproveitar as vantagens e benefícios das duas modalidades. E seguir com a vida financeira tranquila, organizada e sem sustos.

CM Capital: a corretora dos grandes players institucionais agora no varejo