Custo de vida mais caro exige que idoso reavalie gastos. Veja dicas

Inflação da terceira idade teve inflação de 1,93% no terceiro trimestre. Energia elétrica, carne bovina e produtos e serviços ligados a habitação influenciaram

Como driblar os preços altos e não fugir do orçamento?

Como driblar os preços altos e não fugir do orçamento?

BRUNO ROCHA - 07.09.2020/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Com a aceleração da inflação da terceira idade no terceiro trimestre, a população idosa se vê na necessidade de procurar alternativas para manter o orçamento controlado e driblar a a alta nos preços.

Segundo o IPC-3i (Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade), que é a variação da cesta de consumo de pessoas com mais de 60 anos de idade, a inflação para esse público acelerou 1,93% frente a -0,03% no segundo trimestre.

Leia também: Veja 8 dicas para levantar renda ou ganhar um dinheiro extra na crise

No acumulado dos últimos 12 meses, a inflação da terceira idade atingiu 4% e foi maior do que a da inflação oficial que chegou a 3,14%.

Ou seja, os preços de produtos e serviços para os idosos subiram mais do que para a população em geral.

Entre os itens que puxaram o aumento dos preços, vale destacar: 

• Carne bovina;
• Cigarros;
• Energia elétrica residencial;
• Gasolina;
• Passagem aérea; e
• Produtos e serviços ligados a habitação, educação, leitura e recreação.

A pedido do R7 Economize, o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE, e a educadora financeira Teresa Tayra prepararam algumas dicas para ajudar o idoso a driblar a inflação alta.

Leia mais: Óleo de soja, arroz, leite e carne estão mais caros. O que fazer?

Para Braz, as dicas para o público da terceira idade não são diferentes das recomendadas para qualquer família quando o assunto é reduzir gastos.

Teresa acredita que o primeiro passo é reunir toda a família para explicar a situação e todos contribuírem para a redução de gastos.

Confira 7 dicas dos especialistas abaixo:

1) Avalie a situação

Faça um levantamento criterioso sobre a sua atual situação financeira.

Leia mais: Arroz, feijão e ovo estão caros, mas há opções mais em conta. Confira!

Veja os gastos que são essenciais ou não para identificar o que é preciso cortar ou se é possível buscar alternativas.

2) Controle o orçamento

Faça uma planilha para te ajudar a controlar os rendimentos e os gastos mensais.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Só assim você terá total conhecimento sobre o seu orçamento e conseguirá tomar "as rédeas da situação".

3) Planeje as idas ao supermercado

A pademia do novo coronavírus fez muitas famílias começarem a planejar as idas ao supermercado.

Esse hábito também pode ajudar, e muito, a reduzir os gastos.

Leia mais: Comprar frutas e legumes da época ajuda a economizar. Veja mais dicas

Faça sempre uma lista dos produtos que realmente precisa e aproveite as promoções semanais que as grandes redes fazem para atrair clientes.

"Pesquisar locais ou até mesmo os dias de compra ajudam a economizar. A maioria dos grandes mercados tem ofertas no decorrer da semana. Faça uma agenda e acompanhe as promoções."
Teresa Tayra

Os encartes promocionais, segundo Braz, ajudam o consumidor a ter uma noção dos preços e buscar as melhores opções.

"Muitos idosos necessitam de uma dieta diferenciada por causa da sua saúde. Mais opções lácteas para evitar a osteoporose, ou outros alimentos especiais. Os encartes promocionais ajudam o consumidor a pesquisar o melhor preço", diz Braz.

Comprar frutas, legumes e verduras de época é outra atitude que ajuda a economizar. Além de mais baratos, esses itens são mais frescos e saudáveis por estarem na safras.

4) Cuidado com os gastos na farmácia

Os gastos com medicamentos absorvem grande parte do orçamento da terceira idade. Por isso, é fundamental ter um controle maior sobre esse item.

"Faça um cadastro na farmácia popular para ter acesso a remédios com o preço mais baixo. Elas são uma ótima opção para reduzir os gastos com medicamentos."
André Braz

Outra opção é procurar o SUS (Sistema Único de Saúde) sempre que estiver com as receitas em mãos para ver se é possível retirar os medicamentos gratuitamente.

5) Use a energia elétrica de forma consciente

Com muita gente trabalhando em casa por conta da pandemia, a conta de luz de muitas famílias subiu nos últimos meses.

Leia mais: Saiba como economizar água, luz e gás durante a quarentena

Para evitar sustos ou reduzir os gastos, a solução é fiscalizar o uso da energia elétrica em casa. Algumas dicas:

• Apagar as luzes sempre que os cômodos tiverem vazios;
• Desconecte os aparelhos que não estão sendo utilizados. Muita gente não sabe, mas mesmo desligados eles consomem energia de forma constante e silenciosa;
• Não carregue seus celulares a noite toda: a menos que a bateria do celular esteja completamente esgotada;
• Não deixar a tevê ligada sem alguém assistindo;
• Procurar usar ao máximo a luz do dia, abrindo as cortinas para manter o ambiente iluminado;
• Reduza o número de vezes que utiliza a máquina de lavar na semana. Estabeleça um ou dois dias específicos para juntar a roupa e aproveitar todo o potencial do equipamento. Assim, além de reduzir os gastos com energia elétrica, também diminuirá o de água.

6) Negocie o aluguel

Se o aluguel foi reajustado e você não está conseguindo pagar, a dica é conversar com o proprietário do imóvel.

Leia mais: É hora de negociar aluguel, conta de telefone, TV a cabo e outros gastos?

"Veja se há abertura para uma negociação. Sabemos que nessa pandemia, as negociações ficaram mais flexíveis", diz.

7) Vale a pena manter o carro?

A partir dos 60 anos, o público da terceira idade tem direito a transporte gratuito.

Se você não tiver problema de mobilidade, avalie se realmente precisa manter um carro na garagem.

Leia mais: Veja 5 revisões que evitam gastos maiores com o carro no futuro

Além dos gastos com combustível, um automóvel também tem custos com seguro e IPVA.

Se usa o carro esporadicamente, uma opção são os carros de aplicativos que oferecem um preço de corrida acessível.