Economize Descontrole financeiro eleva inadimplência na pandemia

Descontrole financeiro eleva inadimplência na pandemia

Pesquisa aponta que esse é o principal motivo para 61,98% das pessoas não estarem com as contas em dia. Desemprego aparece em segundo lugar

  • Economize | Márcia Rodrigues, do R7

Planilha ajuda a controlar gastos e organizar renda

Planilha ajuda a controlar gastos e organizar renda

Pixabay

A pandemia do novo coronavírus vem afetando, e muito, as finanças do brasileiro. Há uma grande parcela da população que teve redução na renda ou ficou desempregada.

Leia mais: Endividamento das famílias bate recorde no Brasil, diz pesquisa

Apesar de esse cenário, uma pesquisa divulgada pela Deep Center, empresa de cobrança, aponta que o principal motivo que vem levando as pessoas ao endividamento, nesse período de crise, não é o desemprego, mas o descontrole financeiro.

Para 61,98% dos inadimplentes consultados pela empresa, o descontrole financeiro foi o grande vilão do seu orçamento entre março e junho.

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

O desemprego, que vem preocupando muita gente, aparece em segundo lugar na pesquisa, com 21,51%.

O levantamento também mostrou um aumento de 17% nas recusas de pagamento de dívidas após o início da quarentena, em março, na comparação à mesma média do período anterior à pandemia.

Alguns fatores, porém, caíram durante a pandemia :

• Aguardo de recursos de terceiros (18%) ;
• Endividamento com terceiros (16,52%); e
• Atraso de salários (4,34%).

Leia mais: Pausa na prestação dá alívio na pandemia e quase não afeta parcela

As recusas de pagamento por motivos de doenças se mantiveram estáveis na comparação com o período anterior à pandemia.

Para Gabriel Camargo, CEO da Deep Center, a concessão do auxílio emergencial pelo governo atenua um pouco a situação, mas não é suficiente.

"Analisando os dados, percebemos que duas em cada três pessoas contatadas demonstram boa-fé em pagar suas dívidas, mas não conseguem efetivar de fato”, diz Camargo.

Leia mais: Vale a pena fazer a portabilidade do financiamento do imóvel?

A pesquisa foi realizada com dados de recuperação de crédito de três grandes instituições financeiras do país.

A análise compreendeu quinze dias antes do início da pandemia e quinze dias depois de decretada, com uma média diária de 883.520 chamadas atendidas nas operações de cobranças.

Planejamento ajuda a cortar gastos e reduzir dívidas

Para não cair na inadimplência não existe fórmula mágica: é preciso disciplina para organizar as finanças. Colocar gastos e rendimentos numa planilha, manter uma reserva de emergência e eliminar os excessos que estão afentando os seus orçamentos.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

A pedido do R7 Economize, a planejadora financeira Rejane Tamoto e a educadora financeira Teresa Tayra elaboraram algumas dicas para te ajudar nesse processo:

1) Reduza os cartões de crédito

Diminua o número de cartões de crédito. Ter vários cartões de crédito pode passar a falsa ilusão de que gastou pouco, diz Rejane.

“Já vi casos de pessoas que gastavam R$ 1 mil em um, R$ 500 em outro e R$ 1 mil em outro e achava que os custos com os cartões eram poucos. Se somar tudo, é um valor considerável.”

Rejane Tamoto

O excesso de cartões também pode complicar as anotações dos gastos e acabar desestimulando a pessoa de incluí-los na planilha e, assim, organizar suas finanças.

Leia mais: Juro do cartão de crédito cai, mas ainda é o mais alto do país

“Depois de reduzir os cartões, é importante estabelecer uma meta de gastos mensal com o que manter.”

2) Reduza as contas bancárias

A mesma regra dos cartões de crédito vale para as contas bancárias.

Leia também: Veja dicas para economizar no supermercado em meio à pandemia

Manter uma única conta facilita o controle de todos os gastos, investimentos, além de reduzir os custos com os pacotes de serviços.

3) Crie um fluxo de caixa

Distribua seus gastos em três caixas:

Eliminar – são os gastos que você viu que dá para cortar do seu orçamento.

“Estou pagando por um serviço que não estou utilizando durante a pandemia, por isso vou cortar”, sugere Rejane.

Leia mais: Quer cortar gastos? Listamos 10 dicas para ajudar a sair do vermelho

Reduzir – são gastos que podem ser negociados para reduzir custos: assinatura de algum serviço, planos de celular, internet etc.; e

Fixos – são gastos com casa, alimentação, entre outros, que não dá para diminuir.

4) Separe os gastos por categoria

Além de se criar um fluxo de caixa, Teresa também recomenda que os valores de todos os gastos mensais sejam separados por categorias.

Veja também: Confira 5 dicas para não cair nas promoções da quarentena

Isso facilita a visualização do quanto você tem de gastos essenciais e não essenciais, segundo ela.

“Compras de supermercado devem ser distribuídas em categorias como alimentação, produtos de limpeza e guloseimas. Classificando desta forma, fica mais fácil para você visualizar o que está gastando demais no item supermercado e te ajuda a controlar melhor.”

Teresa Tayra

5) Faça uma previsão orçamentária

Ter os valores prévios dos seus gastos mensais ajudam a dimensionar o padrão de vida que seu bolso permite.

Leia mais: É hora de negociar aluguel, conta de telefone, TV a cabo e outros gastos?

“O uso do limite de cheque especial ou dos cartões de crédito como extensores de salário são a evidência mais concreta de que o orçamento está mal dimensionado”, orienta Teresa.

6) Crie uma reserva futura

Inclua uma categoria de “reserva futura” nos seus gastos.

Leia mais: Brasileiro deve manter controle financeiro e mais hábitos após crise

“Assim você se compromete a poupar todo mês e evita aquele pensamento muito comum de ‘quando sobrar eu pouparei’. O problema é que agindo dessa forma nunca sobrará”, diz Teresa.

Últimas