Economize Dia dos Pais: gerações dividem os prazeres da vida e dos negócios

Dia dos Pais: gerações dividem os prazeres da vida e dos negócios

Negócios em família continuam firmes e mais profissionalizados para muitos empreendedores. Confira histórias de sucesso!

Pais e herdeiros contam a forma que comandam a empresa sem  afetar a vida pessoal

Pais e herdeiros contam a forma que comandam a empresa sem afetar a vida pessoal

Freepik

Hoje é comemorado o Dia dos Pais no Brasil. Para comemorar a data, o R7 Economize reuniu 14 histórias de pais e filhos que mantêm uma relação além dos laços familiares.

Eles conseguem dividir funções, administrar equipes e tocar suas empresas juntos, driblando diferenças pessoais e profissionais e mantendo a admiração que um tem pelo outro. Confira!

Herdeiros sem privilégios e regalias

Aos 29 anos, Bruno Semenzato ocupa o cargo de CEO do grupo SMZTO, fundo de private equity especializado em franquias fundado por seu pai, José Carlos Semenzato.

Apesar de não estar mais no comando operacional da empresa, Semenzato preside o conselho e Bruno e a irmã Beatriz, 24 anos, que é gestora de marketing, ditam as regras. 

Pai e filhos dizem que a dinâmica de conviver em casa e no trabalho "não poderia ser melhor". Uma das razões, segundo o CEO, é a inexistência de privilégios e regalias para os herdeiros.

“Fomos muito bem preparados para separar a condição de herdeiros e acionistas da posição de executivo. Eu, a Bia e meu pai temos uma cabeça totalmente profissionalizada seguimos um plano não só de remuneração, mas com metas e bonificação. A exigência é totalmente igual a todos os nossos pares daqui na empresa.”

Sem dinheiro, trio almoçava paçoca no começo do negócio

O sangue empreendedor corre na veia dos empresários Edmar Castelo e dos seus filhos Leandro e Leonardo.

Leandro, Edmar e Leonardo Castelo são donos da rede Ecoville

Leandro, Edmar e Leonardo Castelo são donos da rede Ecoville

Divulgação Ecoville

À frente da Ecoville, rede varejista de produtos de limpeza, desde 2007, e da 300  Franchising, holding que administra as empresas franqueadoras, desde 2009, .

Edmar, Leonardo e Leandro começaram o negócio vendendo os produtos de porta a porta, em Joinville (SC).

Sem dinheiro para quase nada, o trio chegou a transportar os produtos com uma kombi sem marcha a ré e almoçar paçoca, que além de ser barata ajudava a dar energia para o dia a dia.

Atualmente, a 300 Franchising reúne 77marcas de diversos segmentos, que juntas somam 5,2 mil unidades e um total de R$1.7 bi em faturamento.

Antes de morrer, pai preparou as três filhas para sucessão

Sandra, Karen e Daniela Hara assumiram o comando da do Grupo Hope após a morte do pai,  Nissim Hara, aos 83 anos.

Antes de falecer, porém, o empresário conseguiu fazer a transição da direção da empresa para as três filhas seguirem com seu projeto de vida.

“A gente tende a achar que nossos filhos são crianças, que não sabem o que estão fazendo, mas meu pai sempre foi muito corajoso”, revela Sandra, atual sócia e diretora de estilo e marketing.

“Eu e minhas irmãs fizemos cursos de sucessão. Muitos só começam a pensar nisso quando morre o fundador”.

Para Sandra, uma decisão importante na sucessão foi a profissionalização da gestão, com a contratação de um CEO e a manutenção de um conselho consultivo para ajudar a companhia a tomar decisões estratégicas.

“Decidimos que nenhuma das três filhas viraria presidente, por conta das competências e áreas de atuação internas de cada uma, além da preocupação com a perpetuidade da empresa.”

Negócio em família exige esforço maior

Em 2008, o empresário Humberto Pessoa decidiu abrir duas franquias da marca Puket em Recife (PE) e logo pensou na filha, Nathalia, então com apenas 18 anos de idade, para ajuda-lo.

Humberto  e Nathalia Pessoa, pai e filha, são donos de lojas Puket

Humberto e Nathalia Pessoa, pai e filha, são donos de lojas Puket

Divulgação Puket

Enquanto o pai, dono de outros negócios na cidade, administrava a parte financeira, a filha cuidava da operação.

“Viver a Puket foi desafiador, mas me trouxe muito aprendizado. Tive o apoio do meu pai e da minha mãe, que me passaram muita bagagem.”

Nathalia acredita que o segredo para o negócio familiar não azedar é não misturar questões profissionais e pessoais.

“O excesso de intimidade pode prejudicar o relacionamento, por isso o respeito é fundamental. Quando se trabalha com a família, se tem uma força diferente, um esforço maior para fazer o negócio dar certo”.

Pai e filhos comandam 4 lojas

Luiz Henrique e Marina decidiram seguir os passos do pai, Luiz Carlos Sens, 63, e ingressar no ramo de varejo de colchões.

Luiz Henrique e Luiz Carlos Sens são donos de lojas da Sleep House

Luiz Henrique e Luiz Carlos Sens são donos de lojas da Sleep House

Divulgação Sleep House

Sens trabalhou na rede Sleep House durante 14 anos. Fez carreira e saiu da empresa para investir na sua própria unidade.

Logo que abriu a primeira loja, em Taubaté (SP), Luiz Carlos contou com o apoio do filho que saiu do emprego para trabalhar com o pai. Depois de sofrerem um pouco no começo, o negócio destrinchou e logo abriram mais três unidades. Outra em Taubaté e mais duas em Mogi das Cruzes.

Marina chegou nessa fase para auxiliar na administração de uma das franquias de Mogi das Cruzes.

“Sempre quis ensinar aos meus filhos aquilo que não aprendi em casa, mas aprendi na vida. E hoje nossa família toda está, de uma forma ou de outra, unida em uma missão que vai além de vender colchões.”

Cada um na sua área e e consenso na direção da empresa

Depois de três anos de sua graduação em odontologia e oito anos após concluir a faculdade de administração, Elisângela Ruiz da Silva, decidiu unir as duas áreas de conhecimento em um único empreendimento.

Osmar, Elisângela e Odete da Silva têm clínicas da Orthodontic

Osmar, Elisângela e Odete da Silva têm clínicas da Orthodontic

Divulgação Orthodontic

Foi assim que em 2011 ela abriu uma clínica franqueada da OrthoDontic em Foz do Iguaçu (PR). 

Na época, Elisângela pediu apoio dos pai, Osmar Agapito da Silva, bancário aposentado, e a mãe Odete Ruiz da Silva, para ajudarem no processo de implantação da unidade.

Assim, enquanto o pai cuidava da parte financeira, a mãe gerenciava a administrativa, e a dentista mantinha uma visão mais geral da gestão. 

Com a clínica indo bem, a família abriu outra unidade, desta vez em Chapecó (SC). 

Elisângela garante que os negócios e a relação pessoal com o pai e a mãe são muito bem equilibrados.

“Nos damos bem. Apesar de morarmos em estados diferentes, sempre há um consenso do que é melhor para a empresa”, afirma a empresária. “Pensamos diferente, mas cada um atua em uma área, e respeitamos a decisão de cada um.”

Direção da rede só veio depois de passar por todos os cargos

Em um projeto bastante audacioso, Claudinei dos Anjos criou a rede Anjos Colchões & Sofás em 1989 num galpão de 250 metros quadrados e com apenas quatro funcionários.

Claudinei e Leonardo são donos da Anjos Colchões & Sofás

Claudinei e Leonardo são donos da Anjos Colchões & Sofás

Divulgação Anjos Colchões & Sofás

Apesar de a coragem de dar o pontapé inicial para empreender, foi o seu filho, Leonardo, quem inovou e trouxe dinamismo ao negócio para expandi-lo por meio de franquias.

Para entender a dinâmica da empresa, Leonardo trabalhou em toda a operação até chegar ao cargo de diretor em 2020.

O "presente" não veio por acaso. Ele conquistou o posto depois de vender cerca de 100 operações e, num período de pouco mais de um ano, ultrapassar a margem de 130 unidades  abertas em 14 estados brasileiros e cinco no Paraguai.

Pai deu ao filho o que queria na sua idade: chance de empreender

Depois de mais de três décadas trabalhando em um banco do setor privado e aposentado, Enio Bueno decidiu encarar o desafio de empreender ao lado do filho, Jorge Henrique Bueno, de 20 anos.

Enio e Henrique são donos de uma unidade da rede de cuidadores de pessoas Home Angels

Enio e Henrique são donos de uma unidade da rede de cuidadores de pessoas Home Angels

Divulgação Home Angels

Em fevereiro de 2020, os dois passaram a operar uma unidade da rede de cuidadores de pessoas Home Angels.

“Acredito muito no potencial dos jovens e quando eu estava nessa situação, não tive a oportunidade de empreender com alguém tão próximo. Nós dois sempre nos demos muito bem e a sociedade nos negócios aproximou a gente ainda mais”, conta o pai.

Ele também relatou sobre como é tocar uma empresa em família.

“O desafio é estar aberto às ideias, ouvi-las com atenção e tomar as decisões em conjunto. As vantagens são muitas, destaco o entrosamento natural e a oportunidade de falar sobre o futuro dele de maneira tangível”, conclui Bueno.

Pai aconselha a aproveitar a troca de experiência

Os empresários Allysson Malta e Allysson Malta Jr são donos de uma unidade da Park Education, rede especializada em idiomas e cursos livres desde 2018.

Allysson Malta Jr e Allysson Malta são donos de unidade da Park Education

Allysson Malta Jr e Allysson Malta são donos de unidade da Park Education

Divulgação: Park Education

“Somos parceiros nas conquistas e dificuldades. Ele é mais coração, já eu sou mais a organização e razão”, conta o pai.

Para aqueles que pensam em empreender com os filhos, Malta aconselha: "paciência e persistência são essenciais no negócio, além de pés nos chão e responsabilidade com custos e objetivos. A dica é aproveitar a troca de experiência com seu filho, pois é extremamente prazeroso trabalhar em família”, relata o pai.

'Ele me ajuda e recebe seu salário'

O franqueado da rede higienização e blindagem de estofados, Sofá Novo de Novo, João Luiz Izepon, viu no empreendedorismo uma forma de passar na prática ensinamentos sobre o campo profissional ao filho, Gustavo Izepon, de 16 anos.

João Luiz e Gustavo atuam em loja da Sofá Novo de Novo

João Luiz e Gustavo atuam em loja da Sofá Novo de Novo

Divulgação Sofá Novo de Novo

“Meu filho estava procurando emprego, então unimos o útil ao agradável: ele me ajuda e recebe seu salário, obtendo assim sua independência e aprendendo a fazer suas escolhas, assim como gerenciar seu próprio dinheiro”, conta o pai orgulhoso.

João Luiz também relata as vantagens do trabalho em família.

“No meu caso foi muito benéfico, pois posso ensinar na prática, no aspecto profissional, todos os valores de ética e respeito, além de que devemos sempre entregar um serviço de qualidade, independente do dia ou do cliente que está atendendo”.

Um passeio e um pedaço de bolo viraram negócio

Mais do que o nome, Epaminondas Oliveira Santos Júnior herdou de seu pai a veia empreendedora e o empenho por trabalhar naquilo que gosta. Ambos se tornaram franqueados da Casa de Bolos, rede de franquias no segmento de bolos caseiros.

Epaminondas Oliveira Santos e Júnior têm loja da Casa de Bolos

Epaminondas Oliveira Santos e Júnior têm loja da Casa de Bolos

Divulgação Casa de Bolos

Atualmente com quatro lojas, sendo duas em Matão e duas em Araraquara, no interior paulista, Junior conta que, em um passeio com o pai pela cidade de Ribeirão Preto, decidiram comprar um bolo e conheceram a franquia.

“Olhamos juntos o formato da loja e todos os produtos oferecidos e pensamos: será que não daria certo uma loja dessa em Matão? Foi então que, em 2012, abrimos nossa primeira unidade”, relata.

Segundo o filho, a principal vantagem de trabalhar com o pai é que ambos conhecem os pontos fortes e as fragilidades de cada um e sabem separar e dividir as tarefas, não deixando que assuntos familiares interfiram na relação do negócio.

'Se enxergar no herdeiro a vontade de empreender, invista!'

Jaime Monteiro, pai de Matheus e Lucas Monteiro, destaca a importância de se empreender em família.

“É uma questão de legado, em todos os meus projetos minha família é minha base e prioridade, sempre busco a excelência em tudo que faço por eles e acredito que isso gere o interesse e vontade de construir nossos sonhos e projetos juntos”.

Há seis anos como franqueado da maior rede de clínicas odontológicas do mundo, OdontoCompany, o empresário dá um conselho aos pais que pretendem empreender com os filhos.

“Se enxergar no herdeiro o potencial e vontade de empreender, invista nele, traga ele para perto de você, estimule-o, seja uma inspiração para que ele te veja como referência, afinal, se você for um bom empreendedor, certamente ele será ainda melhor”, conclui Jaime.

Separar questões familiares e profissionais requer treino

Milton de Sousa resolveu empreender depois de deixar o cargo de diretor em uma empresa estrangeira.

Milton e Daniela são donos de loja da franquia Doctor Feet

Milton e Daniela são donos de loja da franquia Doctor Feet

Divulgação Doctor Feet

“Fiz um pequeno curso, fui a uma feira de franquias e escolhi a Doctor Feet, rede de podologia. Minha filha Daniela é advogada e estava chateada com a profissão, então veio trabalhar comigo e hoje é meu braço direito”, conta.

Para eles, separar questões familiares e profissionais requer atenção e treino.

“Nós dois temos um perfil bem racional, então temos facilidade em separar os assuntos. Ele é bem mais ponderado do que eu nas tomadas de decisões e eu o admiro muito", finaliza Daniela Xavier e Sousa.

Parceiros na vida e nos negócios

Antônio Carlos de Paula Júnior e o filho André Mariano de Paula se consideram grandes parceiros na vida e nos negócios.

Pai e filho administram três unidades do Pello Menos, rede de depilação especializada em laser e cera, e acreditam que um completa o outro.

“A vantagem de trabalhar com meu pai é que dividimos todas as tarefas, não temos problemas pois ele é bem parceiro”, conta André Mariano.

Para Júnior, buscar aprender sempre é a melhor qualidade do filho. “A gente se ajuda. Fico tranquilo em saber que, quando não estiver mais aqui, ele fará a minha sucessão na empresa”, declara.

Messi mostra lado empreendedor e inaugura restaurante; conheça local

Últimas