Empréstimo em financeira custa quase o dobro do que nos bancos

É o que aponta um levantamento feito pela Anefac. No ano, a diferença entre as taxas praticadas pelas duas instituições chega a 134,5%

É preciso ter cautela antes de pedir empréstimo

É preciso ter cautela antes de pedir empréstimo

Itaci Batista/09.10.2012/Estadão Conteúdo

Quem está precisando recorrer a um empréstimo deve ficar bem atento às ofertas do mercado e pesquisar muito.

Leia mais: Custo de vida mais caro exige que idoso reavalie gastos. Veja dicas

Um levantamento feito pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças) divulgado na terça-feira (13), apontou que as taxas do empréstimo pessoal nas financeiras custam o dobro do que as praticadas pelos bancos.

Enquanto nas financeiras, o juro do empréstimo pessoal fechou a 6,18%, nos bancos foi de 3,14%.

Esse percentual corresponde a uma diferença de 96,8% nas taxas cobradas pelas duas instituições, ou seja, quase o dobro.

No ano, enquanto nos bancos os juros atingem 44,92%, nas financeiras chegam a 105,36%. Uma diferença de 134,5%.

Miguel José de Oliveira, diretor executivo da Anefac, diz que a diferença tem uma justificativa.

Oliveira afirma que quem pega empréstimo no banco, normalmente, é cliente e tem um relacionamento com ele, por isso risco é menor e, consequementemente, o juro cai.

"O cliente que procura uma financeira geralmente faz isso porque não consegue crédito nos bancos. Por não ter um relacionamento com ele, o risco torna-se maior e ele acaba pagando mais caro por esse empréstimo."
Miguel de Oliveira

A pesquisa também trouxe os juros praticados por outras modalidades de crédito.

Todas as linhas tiveram suas taxas reduzidas no mês de setembro, na comparação com agosto.

Leia mais: Investir na Bolsa também é ‘coisa de gente pequena’

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma redução de 0,03 ponto percentual no mês (0,66 no ano), o que corresponde a uma redução de 0,54% em setembro e de 0,72% nos últimos 12 meses.

Com isso, o juro médio da pessoa física passou de 5,59% ao mês (92,08% ao ano) em agosto, para 5,56% ao mês (91,42% ao ano) em setembro.

É a menor taxa de juros desde setembro de 2013.

Cartão de crédito

Houve uma redução de 0,54% nos juros da modalidade, passando de 11,09% ao mês (253,26% ao ano) em agosto, para 11,03% ao mês (250,98% ao ano) em setembro.

Leia mais: É hora de negociar aluguel, conta de telefone, TV a cabo e outros gastos?

A taxa é a menor desde janeiro de 2016 quando atingiu 10,96% ao mês e 248,34% ao ano.

Cheque Especial

Linha apresentou redução de 0,28% na sua taxa, passando de 7,03% ao mês (125,98% ao ano) em agosto, para 7,01% ao mês (125,47% ao ano) em setembro.

É a menor taxa da série histórica.

CDC para financiamento de carro

Foi registrada uma queda de 1,47% nos juros, passando de 1,36% ao mês (17,60% ao ano) em agosto, para 1,34% ao mês (17,32% ao ano) em setembro.

Leia também: Veja 8 dicas para levantar renda ou ganhar um dinheiro extra na crise

Também é a menor taxa deste mês da série histórica.

Juros do comércio

A taxa caiu 0,43%, passando a taxa de 4,68% ao mês (73,13% ao ano) em agosto para 4,66% ao mês (72,73% ao ano) em setembro.

Leia mais: Óleo de soja, arroz, leite e carne estão mais caros. O que fazer?

É o menor juro praticado desde outubro de 2014 quando atingiu 4,65% ao mês e 72,53% ao ano.

Para Oliveira, alguns fatores estão contribuindo para as constantes quedas nas taxas das linhas de crédito:

• Expectativa de novas reduções da Selic, a taxa básica de juros, frente a um cenário de inflação baixa e recessão econômica;
• Redução dos depósitos compulsórios, promovida pelo Banco Central;
• Operações de crédito com juros baixos e aportes do governo para pagamento das folhas das empresas pequenas e médias;
• Renegociação de dívidas com juros menores; e
• Redução de juros para não agravar ainda mais o quadro de inadimplência e solvência das empresas e pessoas físicas.

Oliveira, porém, acredita que a tendência é que as taxas possam ser elevadas nos próximos meses.

“Tendo em vista a piora do cenário econômico, com maior risco de crédito e da elevação da inadimplência, a tendência é de alta, mas algumas ações do Banco Central podem amenizar isso.”
Miguel de Oliveira

Ele cita como exemplo: redução de impostos, compulsórios e da taxa básica de juros

Uso do crédito exige cautela

Para Teresa Tayra, educadora financeira, é sempre bom trocar uma dívida mais cara por outra mais barata.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Porém, ela frisa que antes de fazer a troca, é preciso se conscientizar sobre um ponto.

Ter dívidas é um hábito recorrente a sua vida? Se afirmativo, é preciso rever sua situação financeira.

"Faça um mapeamento para entender se é falta de organização ou necessidade de uma renda complementar."
Teresa Tayra

Um dos pontos que podem influenciar nas dívidas constantes é o fato de você estar vivendo um padrão de vida acima da sua realidade.

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

A educadora ressalta que é importante estar atento a dois erros comuns:

• Contabilizar o salário bruto na receita ao invés de considerar apenas o valor líquido a receber; e
• Listar apenas gastos maiores e fixos no orçamento do mês.