Entenda como fazer uma reserva de emergência sem recorrer à poupança

Como o próprio nome já diz, trata-se de um recurso guardado para momentos nos quais acontece algo inesperado

Quem tem reservas financeiras consegue superar fases negativas com mais tranquilidade

Quem tem reservas financeiras consegue superar fases negativas com mais tranquilidade

Pixabay

Manter as finanças em controle pode ser um desafio para tempos de instabilidade econômica como a que se vive nos últimos meses. Inúmeras situações, que podem ser previstas ou não, podem contribuir para descontrolar a rotina financeira de qualquer pessoa. Uma das lições mais básicas da educação financeira é manter um fundo emergencial para situações como as citadas.

Reserva de emergência, como o próprio nome já diz, é um recurso guardado para momentos nos quais acontece algo fora do planejado. Segundo um dado recente da Anbima, a Associação Brasileira de Mercados Financeiros e de Capitais, mais da metade dos brasileiros não têm um fundo de emergência. No entanto, quem tem reservas financeiras consegue superar fases negativas com mais tranquilidade do que quem não costuma poupar.

Simule seus investimentos na CM Capital

Como fazer uma reserva de emergência

Quando se pensa em reserva de dinheiro, muitas pessoas se lembram da caderneta de poupança, que parece ser mais simples. No entanto, em 2019, a rentabilidade da poupança foi negativa, gerando -0,05%, abaixo da inflação. Fora dessa caderneta, existem outros muitos investimentos que têm lucros maiores com a mesma segurança dela.

Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um título público de renda fixa emitido pelo governo. Para a especialista em mercado financeiro, Patrícia Lages, o Tesouro Direto é uma boa opção para quem quer fazer uma reserva de emergência com segurança. “A rentabilidade do Tesouro Direto é maior do que a poupança e tem rendimentos diários, sem perda da rentabilidade quando há solicitação de resgate”, explica. Além disso, o Tesouro Direto tem liquidez diária, ou seja, todos os dias os lucros estão disponíveis, “ao contrário da poupança, que rende apenas a cada 30 dias”, avalia Patrícia.

LCI e LCA (com liquidez diária)

As LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) são títulos de renda fixa do setor privado e são boas alternativas para a poupança. Com rentabilidade maior, esses investimentos também têm isenção fiscal, ou seja, não tem incidência de imposto de renda. Mas é preciso simular o investimento porque às vezes a rentabilidade de ativos não isentos é superior aos isentos.

CDB (com liquidez diária)

Os CDB (Certificados de Depósito Bancário), normalmente, têm rentabilidade superior ao da poupança, uma vez que os títulos buscam um retorno acima de 100% do CDI. Diferente do Tesouro, a liquidação dos CDBs pode ocorrer no mesmo dia. Outro diferencial é que os CDBs têm cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Crédito) em até R$ 250 mil por CPF ou CNPJ. Isso significa que, caso o emissor quebre, o investidor não perde o que investiu.

Renda fixa

As carteiras que investem pelo menos 80% do patrimônio em títulos de renda fixa também têm mais segurança e mais rentabilidade para reservas de emergência. Quem opta por investir em renda fixa tem o diferencial de ter um gestor acompanhando a aplicação, com o objetivo de obter o melhor rendimento. Os títulos de renda fixa têm, geralmente, retornos próximos ao CDI. Na CM Capital, é possível escolher de acordo com a sua necessidade entre mais de 200 oportunidades de produtos.

Onde não investir sua reserva de emergência

Os melhores investimentos para reserva de emergência são os que têm liquidez, ou seja, fácil resgate de valores. Como o próprio nome da reserva diz, o resgate de valores de forma imediata ou facilitada é uma das principais características para um investimento voltado para a emergência, já que é impossível saber quando será necessário.

Segundo o especialista em mercado financeiro, Bernardo Pascowitch, os investimentos de ações não servem para reserva de emergência. “Por se tratar de um investimento para perfis muito arrojados, de alto risco, também por ser volátil e a longo prazo, essa não é uma boa opção para esse tipo de investimento”, explica. 

Você pode simular seus investimentos de reserva na CM Capital, onde, através do simulador, consegue visualizar sua rentabilidade e em quanto tempo teria o retorno previsto. A CM Capital é uma das principais corretoras do país e oferece um time de especialistas, inclusive em atendimento online, para acompanhar e ajudar a administrar suas finanças.

CM Capital: a corretora dos grandes players institucionais agora no varejo