Economize Entenda por que o dólar bate recorde e bolsa cai após nova crise

Entenda por que o dólar bate recorde e bolsa cai após nova crise

Crise política interna do Brasil se somou a fatores externos, como a briga comercial dos Estados Unidos e China, além da pandemia do coronavírus

  • Economize | Mariana Ghirello, do R7

Dólar bate maior recorde desde a criação do Plano Real, em 1994

Dólar bate maior recorde desde a criação do Plano Real, em 1994

Sergio Moraes/ Reuters - 31.03.2015

O dólar bateu um novo recorde chegando a R$ 5,66 após a saída do ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro do governo, nesta sexta-feira (24). A bolsa chegou a cair 5,45%, mas após o discurso do presidente Jair Bolsonaro recuperou 2%. 

Leia mais: Após saída de Moro, economistas temem por futuro de Guedes

Sem dúvida a crise política interferiu nos índices do dia, mas para as exportações brasileiras a alta do dólar pode não ser totalmente negativa. Para Alexandre Amorim, gestor de investimentos da ParMais, a alta impacta mais nas importações e beneficia as exportações.

"Em tese, o dólar alto é bom para a indústria e ajuda a equilibrar a balança comercial brasileira. O país fica mais atrativo para outro tipo de investimento porque torna o produto nacional mais atrativo aos olhos do mundo, e isso facilita negócios de exportação", comenta.

O especialista explica que em uma economia globalizada é muito difícil fugir da oscilação da moeda norte-americana. "Utilizamos produtos importados todos os dias e a alta impacta principalmente na importação de insumos e outros produtos em geral", analisa.

Amorim acrescenta que além das questões internas, outros fatores têm movimentado o mercado causando oscilações na moeda como a disputa comercial entre os dois maiores mercados, Estados Unidos e China. E em seguida, o início da pandemia causada pelo novo coronavírus

"Era esperado um investimento significativo no Brasil que não ocorreu devido à crise entre EUA e China. Ela interferiu fortemente no comércio mundial com muita gente deixando de fazer negócios, e se protegendo. E isso significa comprar dólar, o que acaba fortalecendo a moeda", explica.

O especialista comentou ainda a subida do dólar com a saída de Sergio Moro e a queda do índice Ibovespa. Amorim destaca que após o discurso do presidente a bolsa (índice futuro) recuperou 2%. "De alguma forma, o risco foi minimizado", pondera.

Ele acredita que o bolso do brasileiro não deve ser muito afetado com a alta já que o petróleo está baixo, e pode ajudar a baixar outros preços. 

Como fica o investidor?

Para o especialista, este não é o momento de alterar os planos. "É uma crise muito grande e o investidor não deve mudar a estratégia", aconselha. Apenas se o investidor possui ações de empresas que não têm previsão de retornar as atividades.

Últimas