Economize Inflação de presentes para o Dia das Mães é a mais alta em 4 anos

Inflação de presentes para o Dia das Mães é a mais alta em 4 anos

De acordo com a FGV, os custos contribuíram para aumento de preços dos brindes e serviços mais demandados para a data

  • Economize | Do R7, com Agência Estado

De última hora, consumidores buscam presentes na Rua 25 de Março, em São Paulo (SP)

De última hora, consumidores buscam presentes na Rua 25 de Março, em São Paulo (SP)

Renato S. Cerqueira/Futura Press/Estadão Conteúdo - 08.05.2021

Os preços de presentes e serviços mais demandados para o Dia das Mães tiveram a maior subida em quatro anos, revela a FGV (Fundação Getulio Vargas). Levantamento feito a partir de 32 produtos e serviços do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) mostra que a inflação foi de 4,10% nos últimos 12 meses. A maior variação até então havia sido em 2017, quando os preços subiram 4,32%.

Leia também: Dia das Mães: perfume lidera intenção de compra na pandemia

Conforme a pesquisa da FGV, a inflação dos serviços teve alta de 4,89%, capitaneada pelas passagens aéreas, cujos preços subiram 26,09%. Na mesma cesta, restaurantes tiveram incremento de 3,82%; salões de beleza, de 3,21%; e academias, de 2,06%.

Para o pesquisador do FGV IBRE, Matheus Peçanha, os custos contribuíram para o aumento dos preços. "A inflação de custos foi a tônica da elevação de preços da cesta. O setor de aviação, por exemplo, é muito dolarizado, de modo que a escalada do câmbio e o aumento do petróleo no último ano provocou uma elevação", explica o especialistas, em nota à imprensa.

Já em relação aos restaurantes, o preço dos alimentos, conforme Peçanha, teve um impacto muito grande para o reajuste desse serviço, a despeito de uma demanda menos aquecida em meio à pandemia. "Já os salões de beleza e academias são setores intensivos em consumo de energia", acrescenta.

Apesar da subida, o indicador ficou abaixo da inflação geral verificada para o mesmo período, que foi de 6,71%, de acordo com a FGV. Os preços da cesta de serviços também seguiram o mesmo comportamento.

Com a pandemia, atrações culturais mantiveram estabilidade nos preços, uma vez que estão inativas diante das restrições de mobilidade. No caso do setor turístico-hoteleiro, os preços se reduziram, segundo a pesquisa da FGV.

Considerando os produtos preferidos como presente para o Dia das Mães, a cesta de 23 itens teve aumento médio de 3,33%, de acordo com o levantamento. As maiores altas foram observadas em eletrodomésticos como máquina de lavar (12,39%), ventilador e circulador de ar (10,5%), computadores e periféricos (9,55%) e TVs (7,52%).

Também tiveram altas acima da inflação os segmentos de roupas de cama, mesa e banho (9,17%), bijuterias (7,36%) e bicicletas (7,15%). Por outro lado, os preços de calçados femininos, maquiagem, roupas e livros tiveram redução.

Perfumes

Conforme o R7 publicou neste sábado, a crise financeira e a insegurança gerada pela pandemia do novo coronavírus está fazendo o brasileiro ter mais cautela ao gastar dinheiro. E o Dia das Mães promete ser comemorado com presentes mais baratos e dentro do orçamento das famílias.

Pesquisa divulgada pelo Ibevar (Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo & Mercado de Consumo) apontou baixa disposição dos consumidores para gastar na data – considerada uma das mais importantes para o comércio –, quando comparado com resultados de 2020. O estudo acompanhou um conjunto de oito categorias de bens duráveis.

Os presentes mais cotados para as mamães em ordem de maior intenção de compras são:

• Perfumes (44%);
• Notebooks (9,4%);
• Máquinas de lavar roupas (5,4%); e
• Fogões (0,1%).

Em contrapartida, o interesse para adquirir alguns produtos caiu:

Smartphones (-24,4%);
Televisores (-20,8%);
Micro-ondas (-20%); e
Refrigeradores (-13,2%).

Últimas