Juros do crédito pessoal e do cheque especial ficam estáveis em setembro

Pesquisa divulgada pela Fundação Procon nesta quarta-feira (16) mostra que os bancos não alteraram as taxas praticadas nas duas modalidades no mês

Banco do Brasil tem a menor taxa do cheque especial

Banco do Brasil tem a menor taxa do cheque especial

Bruno Santos/Folhapress

Os juros cobrados nas linhas de crédito pessoal e do cheque especial ficaram estáveis em setembro, na comparação com o mês anterior.

Leia mais: Consumidor terá sua nota de crédito elevada ao pagar parcela de dívida

Os dados são de uma pesquisa mensal divulgada pela Fundação Procon-SP nesta quarta-feira (15) e foram coletados em 4 de setembro.

Foram analisadas as taxas aplicadas por seis instituições:

• BB (Banco do Brasil);
• Bradesco;
• Caixa (Caixa Econômica Federal);
• Itaú;
• Safra; e
• Santander.

O levantamento mostrou que o juro médio do empréstimo pessoal foi de 6,08% ao mês e do cheque especial de 7,91% ao mês.

Leia mais: Muitas dívidas? Veja quais contas você deve priorizar o pagamento

No ano, a taxa média foi de 103,05% para o crédito pessoal e de 149,36% para o cheque especial.

Crédito pessoal

No empréstimo pessoal, apenas o Itaú baixou sua taxa de 5,93% para 5,91%, ou seja, uma queda de 0,02 ponto percentual (variação negativa de 0,34%.).

Leia mais: Descontrole financeiro eleva inadimplência na pandemia

A menor taxa na modalidade é aplicada pela Caixa (3,89% ao mês). A maior é do Santander (7,89% ao mês).

Cheque especial

Nenhum banco alterou a sua taxa do cheque especial em setembro.

Vale destacar que o Banco Central do Brasil limitou a cobrança da taxa de juros do cheque especial para pessoa física em 8% ao mês desde 6 de janeiro deste ano.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

O Banco do Brasil pratica a menor taxa entre as instituições pesquisadas: 7,73% ao mês. A maior, de 8% é da Caixa e do Safra.

Arte R7

Selic deve ficar em 2% até fim de 2020

Desde 6 de agosto, a Selic (taxa básica de juros) passou para 2% ao ano, menor patamar desde junho de 1999, quando o Brasil adotou o regime de metas para a inflação.

Leia mais: Pausa na prestação dá alívio na pandemia e quase não afeta parcela

Foi a nona redução consecutiva do Copom (Comitê de Política Econômica).

A Selic a 2% ao ano deve ser mantida até o fim de 2020, segundo o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, e economistas ouvidos pelo R7 Economize.

Atenção aos empréstimos e endividamento

Os especialistas também alertaram o consumidor a ficar atento ao seu orçamento e deram dicas para quem está endividado:

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

• Pesquisar sempre formas de obter linhas de crédito ou até mesmo buscar alternativas para negociá-la; e
• Trocar dívida do cheque especial e do cartão de crédito por empréstimos consignados que oferecem taxas menores.