Economize Juros médios do crédito pessoal sobem e chegam a 92,5% ao ano

Juros médios do crédito pessoal sobem e chegam a 92,5% ao ano

Taxa passou de 5,56% ao mês, em dezembro do ano passado, para 5,61% ao mês em janeiro de 2021

  • Economize | Márcia Rodrigues, do R7

Resumindo a Notícia

  • Pesquisa da Anefac aponta elevação de 0,05 ponto percentual ao mês no juro médio do crédito pessoal.
  • No ano, a alta é de 1,09 ponto percentual no ano. O aumento vale para todas as modalidades.
  • O montante correspondente a uma elevação de 0,90% no mês (1,19% em doze meses).
  • Enquanto isso, a Selic (Taxa Básica de Juros) continua a 2% ao ano.
Taxa passou de 5,56% para 5,61% ao mês

Taxa passou de 5,56% para 5,61% ao mês

Marivaldo Oliveira/10.03.2017/Código19/Estadão Conteúdo

Está mais caro pedir crédito no Brasil em 2021. Mesmo com a manutenção da Selic (Taxa Básica de Juros) a 2% ao ano, anunciada pelo Copom (Comitê de Política Monetária) em janeiro, todas as linhas registraram alta na taxa de juros no primeiro mês do ano.

É o que aponta pesquisa divulgada pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) nesta quarta-feira (10).

O levantamento mostra que a taxa de juros média geral para pessoa física apresentou uma elevação de 0,05 ponto percentual no mês (1,09 ponto percentual no ano).

O montante correspondente a uma elevação de 0,90% no mês (1,19% em doze meses).

Com isso, a taxa média de juros passou de 5,56% ao mês (91,42% ao ano) em dezembro do ano passado, para 5,61% ao mês (92,51% ao ano) em janeiro de 2021. É a maior taxa de juros desde julho de 2020.

As elevações, segundo Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente de estudos e pesquisas da Anefac, podem ser atribuídas a três fatores:

• Aumento dos juros futuros;
• Expectativa de novas elevações da taxa básica de juros frente a uma inflação maior; e
• Provável elevação dos índices de inadimplência.

Oliveira destaca que a probalididade no aumento da inadimplência segue alguns aspectos:

• Fim das carências nos empréstimos (suspensão da pausa e carência nas negociações de dívidas);
• Desemprego elevado;
• Fim do pagamento dos auxílios emergenciais;
• Aumento da inflação e seus efeitos na renda; e
• Maior seletividade dos bancos na concessão de crédito.

CDC puxou alta

CDC

A maior elevação, de 1,52%, foi registrada na linha CDC para o financiamento de veículos. A taxa passou de 1,32% ao mês (17,04% ao ano) para 1,34% ao mês (17,32% ao ano).

É a maior taxa registrada desde agosto de 2020, quando chegou a 1,36% ao mês (17,60 ao ano).

Cheque Especial

A modalidade sofreu uma elevação de 1,14%, passando a taxa de 7,02% ao mês (125,72% ao ano) para 7,10% ao mês (127,76% ao ano).

A taxa é a maior desde junho do ano passado quando atingiu 7,11% ao mês (128,01% ao
ano).

Cartão de crédito

Linha subiu taxa em 1,08%, passando de 11,07% ao mês (252,50% ao
ano) para 11,19% ao mês (257,10% ao ano).

A taxa é a maior desde abril de 2020 quando estava em 11,20% ao mês (257,48% ao ano).

Empréstimo pessoal nos bancos

Houve alta de 1,27%, passando de 3,14% ao mês (44,92% ao ano) para 3,18% ao mês (45,59% ao ano).

É a maior desde junho do ano passado. Na ocasião, a taxa 3,21% ao mês (46,10% ao ano).

Empréstimo pessoal nas financeiras

A elevação da taxa na modalidade foi de 0,65%, passando de 6,17% ao mês (105,13% ao ano) em dezembro/2020, para 6,21% ao mês (106,06% ao ano) em janeiro de 2021.

É a maior desde junho de 2020 quando era 6,24% ao mês (106,76% ao ano).

Comércio
A alta foi de 0,43%, passando de 4,64% ao mês (72,33% ao ano) para 4,66% ao mês ( 72,73% ao ano). A taxa é a maior desde agosto do ano passado: 4,68% (ao mês) e 73,13% (ao
ano).

Juros médios x Selic

A pesquisa aponta que se considerarmos todas as elevações e reduções da Selic promovidas pelo Banco Central de março de 2013 a janeiro deste ano, houve uma redução 5,50 pontos percentuais (72,41%) na taxa básica de juros.

No período, a Selic foi de 7,25% para 2% ao ano.

Em contrapartida, a taxa de juros média para pessoa física sofreu uma elevação de 4,54 pontos percentuais (5,16%) no mesmo período, passando de 87,97% ao ano para 92,51% ao ano.

Últimas