Economize Mais da metade dos brasileiros não tem costume de poupar, diz estudo

Mais da metade dos brasileiros não tem costume de poupar, diz estudo

Levantamento da Confederação Nacional dos Lojistas e do SPC mostra que percentual chega a 52,1%. Entre os que guardam, poupança é preferência

  • Economize | Márcio Pinho, do R7

Mais da metade dos brasileiros não poupa

Mais da metade dos brasileiros não poupa

Arquivo/Agência Brasil

Mais da metade dos brasileiros (52,1%) não tem o hábito de poupar, aponta levantamento realizado pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) divulgado nesta terça-feira (24).

A pesquisa realizada pelas entidades ligadas ao comércio ouviu 800 pessoas em 12 capitais das cinco regiões do país.

Entre os entrevistados, apenas 33,8% afirmaram ter o costume de guardar dinheiro de alguma forma, sendo que 14,9% estipulam um valor a ser poupado –  18,9% contam apenas com a quantia que sobra do orçamento.

Entenda como organizar as contas na quarentena e ajudar o país

A poupança ainda é a principal escolha dos brasileiros. falta de conhecimento do brasileiro fica ainda mais clara quando se observa que seis em cada dez entrevistados (62,0%) que costumam economizar ainda têm como escolha a poupança. Além destes, também há os que preferem guardar o dinheiro em casa (27,1%) e os que mantêm o montante na conta corrente (23,1%). Fundos de investimento foram citados por apenas 6,5%, seguidos por Tesouro Direto (4,7%), ações da bolsa de valores (4,7%) e CDB (4,7%).

Em 2019, a poupança nova, que segue regras diferentes desde 2012, fechou com rendimento de 4,26% ao ano. Já a inflação oficial em 2019 foi de 4,31%, o que significa que quem optou pela poupança teve leve perda do poder de compra.

Como investir os primeiros R$ 100 na Bolsa de Valores

A escolha dessas opções mais conservadoras evidencia a insegurança do brasileiro em explorar novas modalidades de investimento”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A principal justificativa apontada pelos que mantêm a reserva financeira em sua residência foi a possibilidade de utilizar o dinheiro a qualquer momento (51,7%). 

Últimas