Economize Pais investem em previdência, ações e fundos de olho no futuro dos filhos

Pais investem em previdência, ações e fundos de olho no futuro dos filhos

Desde pequenos, herdeiros contam com aplicações periódicas para garantir o pagamento da faculdade, compra de imóvel ou outro bem

  • Economize | Márcia Rodrigues, do R7

Marcelo compra ações e títulos públicos para Ana Francisca e Benjamin

Marcelo compra ações e títulos públicos para Ana Francisca e Benjamin

Arquivo Pessoal

Fazer um pé de meia para os filhos sempre foi uma prática de famílias que sonham com o futuro dos herdeiros e querem garantir que cursem uma faculdade, façam intercâmbio ou tenham uma casa própria. Por muito tempo, a poupança era a aplicação preferida para esta finalidade.

Hoje, com as numerosas opções no mercado financeiro e com os mais variados perfis de investidores dos pais, as aplicações são mais diversificadas.

Leia mais: Pais e filhos tocam empresa juntos e somam experiência de gerações

Há pais que apostam em planos de previdência, em fundos de investimentos, renda fixa ou variável e na poupança.

Em comemoração ao Dia dos Pais, o R7 ouviu cinco papais que realizam aplicações mensais para os filhos. Confira!

Filhos têm ações e títulos públicos

Ana Francisca, de 5 anos, e Benjamin, de 2 anos, já possuem ações e títulos públicos federais, aplicados pelo pai, Marcelo Estrela, sócio da V Corp Capital.

“Desde 1 mês de vida, Benjamim recebe carta do banco, no qual é chamado de ‘prezado acionista'.”

Marcelo Estrela

Os resgates dos títulos e ações estão previstos para quando eles chegarem aos 20 anos, mas a intenção de Estrela é que a mesada deles, já na fase infantil mais adiantada, seja os dividendos dessas aplicações.

Leia mais: Dia dos Pais: filhos criam presentes fofos, personalizados e sem gastos

“Irei orientá-los a gastar conforme os rendimentos e também a reinvestir. Não pretendo dar carro ou bens, mas ensiná-los a poupar e investir dinheiro para conquistar o que desejam. E isso é possível se eles conhecerem o mercado financeiro”, diz.

Estrela diz que todos os meses investe R$ 200 para cada um. Como dica, ele diz que suas apostas são nos setores bancário, energia e telecomunicações.

Pai investe R$ 150 por mês para cada filho

Anibal com Gabriel e Isabel

Anibal com Gabriel e Isabel

Arquivo Pessoal

Todos os meses, o engenheiro civil Anibal Sanchez deposita R$ 150 no plano de previdência privada dos filhos Gabriel, de 11 anos, e Isabel, de 7 anos.

“Comecei a investir quando o Gabriel tinha 4 anos, e ela acabado de nascer.”

O plano escolhido foi um fundo de fundos (FoF) de previdência.

Leia mais: Mães e filhos criam os próprios brinquedos e driblam consumismo

“Escolhi previdência para aproveitar o tempo disponível pra fazer a aplicação crescer bastante, sem ter de dispor de muito dinheiro inicialmente, extraindo o benefício dos juros compostos.”

Leia mais: Conheça 8 hábitos minimalistas que podem ajudar na sua vida financeira

Sanchez ressalta que quanto mais tempo o dinheiro permanecer aplicado no plano de previdência, mais os juros incidirão sobre os juros já acumulados.

“Os investimentos são uma opção para eles não dependerem da previdência oficial do Estado, que cada dia que passa fica mais incerta.”

Anibal Sanchez

A expectativa de Sanchez é fazer o pé de meia dos filhos para que eles continuem a poupar no futuro. “Quero conseguir passar para eles a importância da manutenção dessa aplicação.”

Plano para garantir faculdade da filha

O advogado João Badari com a filha Elis

O advogado João Badari com a filha Elis

Arquivo Pessoal

Elis Sanches Badari, 3 anos, tem um plano de previdência privada desde que nasceu.

Todos os meses, seu pai, o advogado João Badari, deposita R$ 260 na conta dela.

Leia mais: Quer cortar gastos? Listamos 10 dicas para ajudar a sair do vermelho

Badari diz que o que motivou a escolha do investimento foi o fato de ainda não ser possível efetuar o recolhimento de contribuição para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para ela.

“Eu e minha mulher somos autônomos, como há incerteza no nosso trabalho, pelo menos a faculdade dela estará garantida.”

João Badari

Para ele, que é especialista em direito previdenciário, apesar de muitas pessoas reclamarem da previdência oficial, não há uma instituição mais sólida do que ela.

Veja também: Por contas em dia, famílias cortam gastos e assumem tarefas da casa

“Todos os meses o INSS paga todas as contribuições para os segurados regularmente: aposentadorias, pensões e benefícios por incapacidade dos brasileiros.”

O plano de Elis está previsto para ser pago até que ela complete 18 anos, período que entraria na faculdade, segundo o pai. “Nós pretendemos ir aumentando gradativamente o valor por mês”, diz.

Poupança e previdência privada para a filha

Renato Lemes e a filha Manuela

Renato Lemes e a filha Manuela

Arquivo Pessoal

Logo nos primeiros anos de vida de Manuela, hoje com 8 anos, seu pai, Renato Lemes, abriu uma poupança para ela.

“Desde então, todos os meses depositamos R$ 200 na conta dela. Às vezes sobra mais e aumentamos o aporte, mas é esta a média.”

Veja mais: Conheça 3 investimentos que podem complementar o salário

Além da poupança, Manuela também tem um plano de previdência, segundo o pai.  

Todos os meses ele deposita o mesmo valor em ambos os investimentos: R$ 200.

Leia mais: Como investir os primeiros R$ 100 na Bolsa de Valores

Lemos diz que queria estimular a filha a economizar, poupar e aprender a investir, além, é claro, de guardar dinheiro para o futuro.

“Mesmo com a taxa Selic baixa, optamos por manter a caderneta de poupança. Afinal, é um dinheiro que ela terá guardado no banco.”

Renato Lemos

A ideia é manter esses investimentos até os 18 anos. “Mas eu espero que ela guarde esse dinheiro até por mais tempo para ter uma garantia financeira no futuro.”

Filha conta com investimento mensal de 150 euros

O engenheiro Osmar Freitas e a filha Isabela

O engenheiro Osmar Freitas e a filha Isabela

Arquivo pessoal

Desde os três meses de idade, Isabela Aponchik de Freitas, de 4 anos, conta com um aporte de 150 euros (R$ 6,413 na cotação de sexta-feira) na conta conjunta aberta pelos pais, o engenheiro Osmar Freitas e a médica Marta Aponchik, para realizar o investimento.

Por morarem na Alemanha, optaram pela aplicação Sparkonto (semelhante à poupança no Brasil).

Freitas conta que vários fatores o levaram a poupar para a filha:

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

·  A intenção de que ela entenda como pode ser uma boa ideia guardar parte de seu dinheiro para investimentos próprios.

·  Na Alemanha há um limite (isento de imposto) que qualquer pessoa física pode receber como doação.

·  No futuro, se ela for fazer uso do montante para, por exemplo, comprar um carro próprio ou dar entrada ou adquirir um imóvel, ela terá de comprovar de onde veio o dinheiro.

“Eu e minha mulher fomos criados com a mesma filosofia de gastar uma parte de nossos rendimentos e poupar a outra para fins maiores.”

Osmar Freitas

Para Freitas, financiamento ou empréstimo às vezes são necessários, mas como todos sabem, é pagar para usar o dinheiro dos outros.

Leia mais: Posso aplicar a reserva de emergência no Tesouro Selic?

“Evidentemente, os pais esperam que os filhos façam valer o esforço, mas parte desse reconhecimento depende da própria educação dada para eles.”

O que diz a especialista?

A planejadora financeira Rejane Tamoto aprova a iniciativa dos pais.

“É um grande presente que o pai dá para o filho. Há diversas maneiras de investir pensando no futuro dos filhos, mas a mais importante é a formação deles do ponto de vista financeiro.”

Para ela, é importante transmitir, desde cedo, valores e condições para que o filho se torne protagonista da sua vida financeira no futuro.

Leia mais: Como gerar renda no isolamento social e manter as contas em dia?

Rejane ressalta que o fato de a educação financeira não ser uma disciplina que está em todas as escolas, é em casa que as crianças aprendem sobre dinheiro, observando a atitude dos pais.

Já que o pai é um espelho, o ideal é conduzir bem a própria vida financeira, para poder transmitir aos filhos.

“Muitos pais educam os filhos com mesada, com estímulos a guardar no cofrinho. São estratégias muito válidas nesse processo.”

Rejane Tamoto

Rejane destaca que é importante colocar um objetivo de valor, uma meta e um prazo nesse investimento.

Leia mais: Aposentadoria: qual é a melhor aplicação para investir no futuro?

E dá um exemplo:

Quero alcançar R$ 150 mil para pagar uma faculdade para o meu filho, daqui a 18 anos. O objetivo com o prazo ajudará a escolher aplicações mais vantajosas dentro desse intervalo de tempo.

Se fizer um investimento sem objetivo, corre o risco de resgatar antes para outra finalidade. E ao fazer isso, pode ver a rentabilidade prejudicada e ter que pagar mais impostos, dependendo da aplicação.

Leia mais: Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

No planejamento, o valor a investir vai depender da soma que o pai quer atingir no futuro, segundo ela.

É importante que o valor aplicado esteja de acordo com a meta, para que o planejamento ganhe força. No exemplo mencionado acima (atingir R$ 150 mil em 18 anos), ele teria que investir por mês R$ 562,31 se conseguir ganhar 100% do CDI no investimento.

Se a pergunta se refere ao valor mínimo permitido para acessar aplicações financeiras, há muitas opções. Se for em título público, a partir de R$ 37 por mês. Se for em fundo de previdência, a partir de R$ 100 por mês.

Leia mais: Vale a pena investir em empresas que vão estrear na Bolsa?

Lembrando que, se o investimento for para um objetivo a ser realizado em prazo maior que 10 anos, no fundo de previdência é possível pagar a menor alíquota de Imposto de Renda, que é de 10%.

Últimas