Pandemia não é momento de pagar dívidas vencidas, diz especialista

Educadores financeiros aconselham também que não se deve comprometer uma parte significativa da renda, pois, caso contrário, a situação pode piorar

Momento não é o indicado para pagar dívidas

Momento não é o indicado para pagar dívidas

Pixabay

Os Feirões Limpa Nome são uma das opções para quem quer pagar as dívidas e limpar o nome. Mas será que esse é o momento para deixar as contas em dia?

Leia mais: Preço dos alimentos sobe três vezes mais do que inflação em um ano

Não é o momento para renegociar as dívidas em feirões, segundo Reinaldo Domingos, presidente da DSOP Educação Financeira.

Para o especialista, se as finanças da família estão sendo afetadas com a crise, possivelmente não conseguirá honrar com a negociação feita no feirão.

Em meio à pandemia, precisamos priorizar a sobrevivência: educação, saúde e alimentação. Não é o momento para pagar dívidas vencidas e regularizar seu nome.
Reinaldo Domingos

Quais os cuidados ao entrar em feirões?

Ao renegociar as dívidas, segundo Ivan Sanches, educador financeiro, é preciso avaliar se as parcelas caberão no seu orçamento.

Veja também Segurado pode ir à Justiça pedir que INSS analise aposentadoria no prazo

O cidadão não deve comprometer parte significativa de sua renda para esse tipo de acordo. Tem de ser algo que caiba nas receitas.
Ivan Sanches

"Só se deve buscar a renegociação de dívidas quando tiver condições de pagar, ou seja, após conhecer as suas finanças e se planejar. Um passo precipitado pode até piorar a situação", orienta Domingos.

Veja dicas para avaliar antes de aderir a renegociações

Antes de fazer novos acordos é preciso conhecer alguns pontos importantes.

Leia também: Saiba como escolher as melhores ações para investir na Bolsa

1- Vida financeira

Reinaldo Domingos diz que é necessário repensar a vida financeira de toda família para poder pagar a dívida. Caso contrário, será apenas um paliativo.

2- Organizar as finanças:

Ele alerta que anotar o orçamento permite eliminar gastos desnecessários.

"Faça um diagnóstico financeiro, ou seja, identifique exatamente quais são seus ganhos e gastos mensais. Com os números em mãos, elimine despesas supérfluas ou desnecessárias", diz Domingos.

Ele também aconselha a ir para negociação somente quando souber o quanto terá disponível mensalmente para pagar.

3- Conhecer todas as dívidas

Segundo Domingos, colocar na ponta do lápis todas as dívidas que possui ajuda a ir preparado para a negociação.

"É importante ter noção do valor aproximado da dívida total para poder solicitar um bom desconto", completa Ivan Sanches.

4- Prioridades nas dívidas básicas

De acordo com Domingos, contas de energia elétrica, água e moradia devem ser priorizadas, assim como as de maior incidência de juros, como cheque especial e cartão de crédito.

5- Negocie para ter bons descontos

Se já tiver alguma reserva financeira para quitar a dívida é possível obter descontos no valor total.

"Se não conseguir, poupe mensalmente as rendas extras, como o 13º salário, para voltar a negociar em breve", comenta Domingos.

Sanches diz para "solicitar o abatimento dos juros e todas as correções".

Pode ser uma solução ganha-ganha, em que ambos saem ganhando. O credor recebe uma parte da dívida que considerava 'perdida' e o devedor limpa o nome
Ivan Sanches

"O credor também quer receber, então ele abre mão de uma parte da dívida e toma um menor prejuízo", finaliza Sanches.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Márcia Rodrigues