Novo Coronavírus

Economize Por contas em dia, famílias cortam gastos e assumem tarefas da casa

Por contas em dia, famílias cortam gastos e assumem tarefas da casa

Durante a pandemia, muitas pessoas passaram a cuidar da faxina do lar, do banho do pet e a se arriscar na cozinhar para manter o orçamento do mês

  • Economize | Pietro Otsuka*, do R7

Corte de gastos e mudança de hábitos são alternativas para contornar crise

Corte de gastos e mudança de hábitos são alternativas para contornar crise

THIAGO RIBEIRO/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

A pandemia do coronavírus afetou a vida de muitas famílias brasileiras. Com a redução de renda de muitas delas — pesquisa feita pela Mobills apontou que 35% dos brasileiros se endividaram — a solução foi mudar alguns hábitos para economizar na mesma proporção.

Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Mudar a periodicidade da faxineira, assumir o banho dos pets e cortar os frequentes pedidos de comida pelos aplicativos são algumas das medidas tomadas para tentar contornar os efeitos da crise.

Entre muitas pessoas nessas circunstâncias, uma delas é Patricia Soares, gerente de UBS (Unidade Básica de Saúde), de 46 anos. 

Leia mais: Veja dicas para economizar no supermercado em meio à pandemia

Ela conta que não foi pessoalmente afetada pela crise por ser funcionária pública, mas as filhas perderam o emprego e o marido, que é prestador de serviços, não pode trabalhar. E isso impactou diretamente na renda da família.

“Meu marido é paisagista e está parado porque não pode ir às casas dos clientes. Além de as pessoas terem receio de visitas neste período, ele faz parte do grupo de risco e não pode sair."

Patricia Soares

Patricia diz que por conta da pandemia alguns clientes não pagaram o seu marido. Com as duas filhas desempregadas, a família conta apenas com o seu salário para manter o orçamento em ordem.

Leia também: Aposentadoria: qual é a melhor aplicação para investir no futuro?

Outro afetado pela pandemia foi o estagiário André de Holanda, 21 anos. Em férias compulsórias, ele continua recebendo o salário, mas teve 30% do valor do seu VR (Vale Refeição) cortado.

A situação não está diferente para outros integrantes da sua família. O irmão e o pai estão desempregados e a mãe, que é autônoma, não está conseguindo trabalhar como de costume. 

"Minha mãe revende produtos e precisa fazer demonstração na casa das pessoas. Por causa da pandemia isso não vem sendo possível no momento, e ela não está ganhando nada.”

André de Holanda

Menos faxina, petshop e delivery de apps

Como forma de não perder o controle do orçamento familiar, as famílias de Patrícia e de Holanda têm cortado gastos não essenciais, como faxineiras semanais e banho nos pets em petshops.

Leia também: Bancos oferecem antecipação da restituição do IR; vale a pena?

Também reduziram as refeições feitas por delivery.

“Não podemos sair para comer fora, mas estávamos fazendo muitos pedidos no iFood e UberEats. Cortamos tudo. Nossa ajudante que vinha uma vez por semana cuidar da casa, agora vem a cada 15 dias."

Patrícia Soares

Veja também: Saiba quais são os 7 vilões do orçamento durante a quarentena

Na casa de Holanda, não é diferente. A família precisou cortar gastos e assumir tarefas que antes pagavam para alguém fazer.

"Há mais de um mês nosso cachorro não vai ao petshop e toma banho em casa. Os serviços domésticos também ficaram por nossa conta."

André de Holanda

Por ter perdido parte do VR, os pedidos de comida por aplicativos foram reduzidos.

Leia mais: Posso aplicar a reserva de emergência no Tesouro Selic?

"No máximo pedimos uma pizza aqui no bairro para apoiar os negócios locais."

Família deve reajustar orçamento junta

Para a educadora financeira Teresa Tayra, o cenário pede um momento de reflexão dentro da família.

“Se a renda de um familiar foi afetada, é hora de reavaliar os gastos da família e reunir todos para se conscientizarem sobre os ajustes que precisarão ser feitos no orçamento."

Teresa Tayra

Além da conversa franca e aberta entre familiares, Teresa também reforça a importância de procurar outras formas de se proteger financeiramente neste período de crise.

“Muitas pessoas estão buscando trabalhos alternativos. Existem plataformas de serviço e de vendas que podem ser usadas em um negócio. A crise trouxe oportunidades em alguns setores. Observe o mercado".

Confira: Aposentado deve priorizar gastos com saúde ao receber 13º do INSS

"Social media, shoppers e costureiras são alguns profissionais que tiveram seus trabalhos valorizados. Reflita sobre suas habilidades e avalie se é possível usá-las para sanar as necessidades das pessoas.”

Teresa Tayra

Na casa de Patrícia, uma das formas de buscar maior segurança financeira foi poupar e tentar renegociar algumas contas.

“A gente está tentando fazer a negociação de algumas contas, como TV, telefone e internet, porque as empresas estão oferecendo descontos durante a pandemia."

A gerente da UBS também conta que a família está poupando mais do que antes da pandemia, inclusive, para garantir uma reserva de emergência.

Dá para cortar gastos na pandemia?

A educadora financeira diz que sim e que o corte de gastos pode trazer uma economia considerável ao orçamento familiar.

Leia mais: Sobrou mês no fim do salário? Veja 8 dicas para seu dinheiro render mais

“Toda família que se propõe a reavaliar os gastos se surpreende com 'gordurinhas' no orçamento. Eliminar supérfluos, cancelar serviços, buscar opções mais baratas e mudar hábitos de consumo podem trazer mais de 20% de economia”, avalia.

No caso de Patrícia, em alguns meses, o corte de gastos gerou uma economia mensal de até R$ 800. 

Veja também: Como gerar renda no isolamento social e manter as contas em dia?

“Com as novas medidas que adotamos, temos uma redução entre R$ 500 e R$ 800 nos custos mensais. É um dinheiro que a gente pode guardar para a reserva de emergência”, relata.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Márcia Rodrigues

Últimas