R7 Afortunados: passo a passo para organizar suas finanças

A especialista em finanças Patricia Lages e a CM Capital mostram como manter as contas no azul, durante e depois do isolamento social

Contratar mais empréstimo pode criar problemas no futuro. A solução é fazer um planejamento financeiro

Contratar mais empréstimo pode criar problemas no futuro. A solução é fazer um planejamento financeiro

Pixabay

Muitas pessoas estão em casa nesse momento por conta da pandemia. Porém, para além das questões de saúde, está a preocupação com as finanças, já que muitas pessoas estão sem saber o que fazer para honrar seus compromissos financeiros. A situação nos leva a bater na tecla da falta de hábito dos brasileiros em poupar. “Segundo o IBGE, 68% dos brasileiros não têm nenhuma reserva de emergência, ou seja, não têm capacidade financeira alguma em caso de imprevistos”, diz Patricia.

O número assusta e, mais do que nunca, o brasileiro precisa começar a cuidar melhor do seu dinheiro e poupar parte da renda, ainda que seja escassa. Mas a questão agora é remediar a situação atual, por isso, a especialista Patricia Lages aponta algumas dicas possíveis para não se endividar.

Durante a quarentena:

Evite o pânico
Não corra para o banco para pedir empréstimos e não queira resolver tudo de uma vez. Mantenha a calma, pois o governo e as empresas estão tomando medidas para minimizar os efeitos da crise. Aguardar as resoluções antes de agir é a melhor opção no momento.

Faça um planejamento
Veja qual valor você tem em caixa e reúna também todas as contas a pagar. É hora de a família toda se unir e abolir o “meu dinheiro, seu dinheiro”, o momento pede a colaboração de todos. Tracem juntos um plano para a melhor utilização desse dinheiro.

Não faça estoques
Os supermercados estão abertos e não há proibição total de circulação de pessoas. Portanto, compre somente o necessário e reponha apenas quando algo essencial quando terminar. Ao fazer estoques cometemos três erros: gastamos além da conta em um momento em que devemos segurar o dinheiro ao máximo (pois não sabemos quanto tempo essa quarentena durará), contribuímos para que falte alimento nas prateleiras (o que faz os preços subirem) e prejudicamos os mais pobres, pois ao subirem os preços, as pessoas comprarão menos.

Seja criativo
Avalie o que você e seus familiares podem fazer para driblar a crise. Veja se é possível prestar algum tipo de serviço via internet e faturar algum valor para fortalecer o orçamento. Há muitas coisas que podem ser feitas on-line, portanto, pesquise e saia na frente!

Seja solidário
Pratique a empatia de que tanto se fala. Para quem está com dinheiro em caixa, não é hora de apenas querer aproveitar as ofertas que estão surgindo. Seja solidário e compre do pequeno empreendedor. As empresas grandes vão passar pela crise com mais segurança, porém, os pequenos e micro sofrerão muito mais. Por isso, por mais que as grandes redes estejam fazendo promoções em certos seguimentos, procure ajudar comprando daqueles que mais necessitam de faturamento. Você contribui com um pouquinho, mas ajuda muito.

Leia também: Entenda como organizar as contas na quarentena e ajudar o país

Poupar é um comportamento. Adquira este hábito e trace metas para manter essa atitude ao longo do tempo

Poupar é um comportamento. Adquira este hábito e trace metas para manter essa atitude ao longo do tempo

Pixabay

E depois que a crise passar?
Aí é hora de começar a poupar ou rever os investimentos para quem já tem esse hábito. Já pensou em investir em planos de renda fixa? Conheça as opções e simule seu investimento na CM Capital. Veja algumas dicas básicas da CM Capital para organizar as finanças em qualquer tempo e se tornar financeiramente independente:

Gaste menos do que ganha
É primordial para manter o equilíbrio financeiro e conseguir guardar algum dinheiro. Uma planilha de custos pode ajudar no controle dos gastos mensais e eliminar gastos que em um primeiro momento parecem irrelevantes, mas que ao final do mês fazem a diferença, como aquele lanche de todas as manhãs na padaria.

Quite as dívidas
Se tiver dívidas, quite todas elas antes de começar a poupar. Para isso, entre em contato com os credores, renegocie os valores para o pagamento a vista se for possível ou em parcelas que caibam no seu bolso, e não faça mais dívidas que comprometam toda a sua renda.

Pense no futuro
Fazer projetos para o futuro é cada vez mais uma questão relevante, quando estamos falando de organização financeira. Faça seu dinheiro trabalhar por você, e não o contrário. Avalie suas metas para curto, médio e longo prazo, liste os objetivos e trace um caminho para alcançá-los.

Diversifique os investimentos
Distribuir o montante disponível em diferentes ativos, aumenta a capacidade de retorno e também dilui os riscos de volatilidade. Como o mercado oferece renda fixa e variável, vale a pena distribuir os ativos para obter melhores rendimentos, como no tesouro direto, nos fundos multimercado, nos fundos DI, na LCI, na LCA, entre outros.

Pé de meia
Você já deve ter ouvido essa expressão antes, se referindo ao dinheiro guardado para emergência. Pois bem! Ter uma reserva é muito importante, está aí a crise para comprovar. Quem tem algum dinheiro guardado está numa situação mais confortável, pois pode manter a rotina de gastos, apenas sem cometer excessos.

Reinvestir a rentabilidade obtida
Se você tem investimentos variados, que tal pegar o valor rentável e reinvestir? Desta forma, os juros compostos trabalharão ao seu favor. O reinvestimento abre possibilidades de maiores rendimentos no futuro, o que aumenta o total que você terá em longo prazo. Isso significa mais tranquilidade para realizar os seus planos, além de poder contar com o montante disponível para compor o seu patrimônio.

Para os casais
A falta de comunicação financeira leva os parceiros a gastar mais do que têm e isso pode gerar problemas familiares. Planejar os gastos e tomar as decisões juntos, conversar sobre o dinheiro, dividir as despesas proporcionalmente e ter objetivos nas finanças são os conselhos da CM Capital para organizar as finanças.

CM Capital: a corretora dos grandes players institucionais agora no varejo