Economize Saiba onde investir seu dinheiro e ter rentabilidade com o IPCA em alta

Saiba onde investir seu dinheiro e ter rentabilidade com o IPCA em alta

Diferentes classes de ativos, seja renda fixa ou renda variável, oferecem rentabilidade ou proteção do capital em períodos de alta da inflação

Agência Estado
É possível ter rentabilidade com algumas aplicações em períodos de alta da inflação

É possível ter rentabilidade com algumas aplicações em períodos de alta da inflação

Pixabay

A expectativa de alta na inflação em 2020 cresceu mais uma vez, conforme projeções de economistas do mercado financeiro. O Relatório de Mercado Focus, divulgado na segunda-feira (28) pelo Banco Central, mostrou que a mediana para o IPCA neste ano foi de alta de 1,99% para 2,05%. Essa é a primeira vez desde abril que a projeção da inflação fica acima de 2%. Desse modo, o que os investidores devem considerar na hora de escolher seus investimentos?

Leia também: Quem trabalha com o que gosta gasta menos com supérfluo

João Paulo Teixeira, sócio da Unnião Investimentos, explica como é possível ter rentabilidade com algumas aplicações em períodos de alta da inflação, considerando alguns aspectos como classe de ativos e diversificação.

Para quem investe em ações, por exemplo, Teixeira afirma que alguns setores da economia têm um aumento da demanda de investidores em momentos de inflação elevada, como empresas concessionárias de serviços de saneamento, rodovias e energia elétrica.

“Essas empresas possuem contratos que permitem a correção do custo do seu serviço pela inflação”, diz o sócio da Unnião.

Ainda de acordo com o relatório do BC, a projeção para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), indicador que mede a inflação no país, em 2021 se manteve em 3,01%. As estimativas do IPCA em 2022 e 2023 permaneceram em 3,50% e 3,25%, respectivamente.

Na terça-feira (22), o Comitê de Política Monetária (Copom) reconheceu que a inflação ao consumidor “deve se elevar no curto prazo”, devido ao “movimento de alta temporária nos preços dos alimentos” e à “normalização parcial dos preços de alguns serviços”. A informação consta na ata do último encontro do colegiado, na quarta-feira (16), ocasião em que a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, foi mantida em 2% ao ano.

Confira algumas dicas que o sócio da Unnião Investimentos sugere para obter rentabilidade ou proteger o dinheiro em período de alta da inflação.

Renda fixa


Uma das melhores maneiras é investir no Tesouro IPCA+ (NTN-B). Esses títulos pagam uma taxa pré-fixada mais a inflação do período, medida pelo IPCA, que é o principal índice de inflação do País. As taxas desses títulos variam de acordo com o seu vencimento.

Debêntures Incentivadas

Título de dívida privada, possuem isenção de imposto de renda para o investidor pessoa física e costumam render mais do que os títulos públicos federais. Contudo, é preciso estar atento aos riscos e garantias envolvidas na operação.

Fundos imobiliários

Fundos de Investimento Imobiliário (FII) são uma opção que pode ser muito vantajosa para o investidor, pois são fundos que compram imóveis ou títulos de dívida imobiliária e lucram com seus aluguéis. Além disso, os juros costumam ter seus rendimentos corrigidos pela inflação. OS FII são negociados em cotas na B3 e possuem, em sua maioria, aluguéis corrigidos pelo IGP-M e títulos de dívida indexados à inflação.

Ouro

O ouro atrai investidores em todos os locais do mundo em tempos de indefinição e crises. Diferentemente dos títulos indexados à inflação, o ouro pode não funcionar como uma proteção tão forte contra a inflação, pois muitas outras variáveis podem influenciar o seu preço.

Ações

Alguns setores da economia possuem um aumento da demanda de investidores em momentos de inflação, como as ações de empresas concessionárias de serviços de saneamento, rodovias e energia elétrica. Essas empresas possuem contratos que permitem a correção do custo do seu serviço pela inflação. Empresas que fazem administração de imóveis também possuem uma vantagem no cenário de inflação, pois os seus contratos de aluguel são corrigidos pela inflação.

Últimas