Selic deve ficar em 2% ao ano até fim de 2020, preveem economistas

Copom divulga nesta quarta-feira (16) se taxa básica de juros sofrerá ou não alteração. Mercado aposta em sua manutenção por patamar atual estar baixo

Copom, do BC, divulga Selic nesta quarta-feira (16)

Copom, do BC, divulga Selic nesta quarta-feira (16)

Raw Image/Folhapress

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) deve manter a Selic em 2% ao final da reunião desta quarta-feira (16).

A manutenção da taxa básica de juros foi indicada no boletim focus divulgado pelo BC na segunda-feira (14) e por economistas ouvidos pelo R7 Economize.

Leia mais: Mais de 435 mil investidores terão taxa da B3 zerada no Tesouro Selic

Para Miguel de Oliveira, diretor-executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), a Selic não deve cair por três motivos:

• Já está muito baixa, 2% ao ano, e temos expectativa de inflação próxima de 1,8%; e
• Aumento de itens da cesta básica.

Leia mais: Pausa na prestação dá alívio na pandemia e quase não afeta parcela

Oliveira destaca que o Banco Central tem de deixar os juros acima da inflação, caso contrário terá de rever a Selic para os próximos meses.

“Os juros têm de ser suficientemente altos para conter a inflação e baixos para provocar o crescimento econômico, geração de emprego e renda. A Selic a 2% ao ano absorve a inflação.”
Miguel de Oliveira

Caso o Banco Central reduza 0,25 ponto percentual, a taxa básica de juros ficará a 1,75% ao ano.

Leia mais: Arroz, feijão e ovo estão caros, mas há opções mais em conta. Confira!

Com isso, segundo Oliveira, corre-se o risco de a instituição ter de subir rapidamente os juros para conter a inflação que poderá subir com o aumento do consumo.

E tem mais, diz o executivo da Anefac: juros muito baixos afugentam os investidores.

Leia mais: Mercado espera inflação maior em 2020 e aumento na Selic em 2021

“Se os juros não são suficientes para manter o poder de compra, os investidores não comprarão títulos públicos e o governo terá dificuldade para financiar a dívida pública.”

Ele acredita que a Selic deve permanecer inalterada também nas próximas reuniões do Copom.

André Braz, economista do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), também aposta que não haverá corte da Selic porque a inflação
Braz aponta alguns fatores para a manutenção:

Leia mais: Consumidor terá sua nota de crédito elevada ao pagar parcela de dívida

• O país ainda vive um cenário que gera muitas incertezas quanto à valorização cambial; e
• A inflação vem se mantendo controlada, baixa e não está generalizada, apesar de existir uma pressão em torno dos alimentos que concentram uma grande parcela da inflação acumulada nos últimos 12 meses e em 2020.

Braz ressalta que haveria espaço para algum movimento na Selic, “se tivéssemos algum desafio de inflação na pauta”.

“Um novo corte diminuiria um espaço importante que o Banco Central poderá usar daqui a pouco numa possível retomada, num aquecimento maior das questões inflacionárias no ano que vem.”
André Braz

Assim como Oliveira e Braz, Rafaela Vitória, economista-chefe do Inter, também espera a manutenção da Selic na reunião desta quarta e por um longo período.

“Apesar de a alta dos preços de alimentos e de matérias-primas refletida no IGPM, ainda não há sinal de pressão inflacionária que justifique alteração na política monetária nesse momento.”
Rafaela Vitória

Manutenção interrompe sequência de quedas

Diogo Carneiro, professor e pesquisador da Fipecafi, diz que a novidade dessa reunião será a interrupção da sequência de queda.

“Não vai baixar mais. Diria que o mercado está em compasso de espera, com a incerteza política, especialmente, com o risco fiscal sobre contas por causa dos gastos altíssimos com a pandemia.
Diogo Carneiro

Ele acrescenta que outro fator que contribuirá para a manutenção é a pressão inflacionária, apesar de ser uma questão mais sazonal.

“Qualquer alteração não teria efeito em relação à política econômica e, agora, o principal foco é a política fiscal. O que interessa é arrecadar mais e gastar menos", diz.

Carneiro estima que a taxa seja mantida por algum tempo, "até que esse cenário fique mais claro e a gente consiga entender melhor o rumo da economia brasileira.”

Como fica a vida do brasileiro com a Selic a 2% ao ano?

Oliveira fez uma análise do comportamento das taxas de juros das operações de crédito para pessoa física considerando todas as reduções da Selic entre agosto/2016 a agosto/2020.

Nesse período, o BC reduziu a Selic de 14,25% ao ano para 2% ao ano, ou seja, uma queda de 12,25 pontos percentuais.

Ele avaliou as taxas de juros praticadas pelo mercado para pessoa física nas seguintes modalidades:

• Juros do comércio;
• Cheque especial;
• Cartão de crédito rotativo;
• Empréstimo pessoal (bancos);
• Empréstimo pessoal (financeiras); e
• CDC bancos (financiamento de automóveis).

Com a Selic a 14,25% ao ano, a taxa média praticada pelo mercado era de 8,13% ao mês e de 155,43% ao ano.

Com a Selic a 2% ao ano, a taxa média caiu para 25,59% ao mês e para 92% ao ano.

Ou seja, uma variação negativa de 31,27% no indicador mensal e de 40,81% no anual.

Arte/ R7