Vale a pena sacar o FGTS emergencial para investir?

Valores começarão a ser creditados nas contas digitais dia 29 de junho. Saques e transferências bancárias estarão liberados a partir de 25 de julho

Dinheiro será depositado a partir de 29 de junho

Dinheiro será depositado a partir de 29 de junho

Luis Lima Jr/ Fotoarena/ Estadão Conteúdo - 01.04.2020

A Caixa libera a partir desta segunda-feira (15) consulta do saque emergencial do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), de até R$ 1.045 por trabalhador, para quem tem conta ativa ou inativa no Fundo.

O teto de R$ 1.045 (um salário mínimo) vai depender do saldo da conta que o trabalhador tem no Fundo.

Leia mais: Tire 35 dúvidas sobre o saque imediato do FGTS

O dinheiro estará disponível a partir do dia 29 de junho em forma de crédito na conta digital da Caixa, e poderá ser sacado ou transferido para outra conta do trabalhador a partir de 25 de julho.

A liberação do recurso seguirá um calendário conforme o mês de aniversário, da mesma forma que o saque imediato e saque aniversário do FGTS.

A maior parte das pessoas deve utilizar o dinheiro para complementar a renda nesse período de pandemia do coronavírus ou pagar contas em atraso, segundo especialistas.

Leia mais: É hora de negociar aluguel, conta de telefone, TV a cabo e outros gastos?

Mas vale a pena sacar o FGTS emergencial para investir? Especialistas ouvidos pelo R7 dão as sugestões.

Miguel de Oliveira, diretor executivo da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças), diz que em momentos de crise, o ideal é não arriscar.

“A maioria vai sacar o FGTS emergencial porque perdeu o emprego, teve contrato de trabalho suspenso, salário reduzido ou está com dívidas por causa da pandemia do coronavírus."
Miguel de Oliveira

Oliveira diz que com a Selic (taxa básica de juros) em baixa, os investimentos de renda fixa passaram a ser menos atrativos.

Leia também: Conheça 3 investimentos que podem complementar o salário

A taxa Selic está em 3% ao ano, atualmente, deve cair ainda mais na próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) na quarta-feira (17).

A previsão de Oliveira e da maior parte do mercado financeiro é de que a Selic recue 0,75 ponto percentual e chegue a R$ 2,25%.

Veja ainda: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Porém, em momentos de crise, a recomendação do especialista é não arriscar.

“Estamos enfrentando uma crise muito grande e, neste período, mais importante do que ganhar dinheiro é tentar preservar o patrimônio ao máximo. Mesmo que isso implique em baixa rentabilidade”, orienta o especialista.

Leia mais: Aumento de ações para sacar FGTS acende alerta no governo

Oliveira sugere como opção o Tesouro Selic ou a Poupança.

“O valor de R$ 1.045 é pequeno para buscar uma aplicação de alta rentabilidade. Um CDB de banco que poderia ser mais rentável, por exemplo, não atenderia essa quantidade.”
Miguel de Oliveira

Thiago Godoy, coordenador de educação financeira da XP, acredita que no momento é mais importante avaliar a segurança e a liquidez da aplicação do que a sua rentabilidade.

“Se a pessoa está com dívidas ou com o orçamento apertado, é importante direcionar o dinheiro para esta finalidade porque o momento é de crise.”
Thiago Godoy

Quanto aos investimentos, ele afirma que há opções mais atrativas na renda variável, mas o mais recomendado é manter o dinheiro na renda fixa.

Assim como Oliveira, Godoy também acredita que o Tesouro Selic é a opção mais adequada nesse cenário.

Atualmente, no site do Tesouro Direto há a opção de comprar um título do Tesouro Selic com vencimento em 1º de março de 2025. O investimento inicial é de R$ 106,26. A rentabilidade anual é de 0,0344% mais Selic.

Leia mais: Posso aplicar a reserva de emergência no Tesouro Selic?

O executivo da Anefac destaca que o Tesouro Selic, além de permitir a recuperação da inflação ao fim do prazo do título, também oferece a garantia de pagamento pelo governo federal por se tratar de um título público.