Veja 5 revisões que evitam gastos maiores com o carro no futuro

Troca de óleo e substituição de pastilhas são alguns dos exemplos que podem fazer você economizar com a manutenção do carro se respeitadas

Não alinhar, balancear e fazer rodízio de pneus pode gerar gasto de até R$ 2 mil

Não alinhar, balancear e fazer rodízio de pneus pode gerar gasto de até R$ 2 mil

Pexels

Adquirir um carro exige um investimento que vai além da compra. Afinal, seu uso rotineiro demanda gastos com combustível, seguro, limpeza e manutenção para citar alguns.

Pensando nisso, o R7 conversou com Joel Leite, da AutoInforme, e Rogerio Gonzaga, diretor executivo de pós-venda da Caoa e responsável por mais de 200 lojas das marcas Caoa Chery, Hyundai, Subaru e Ford, para elencar cinco revisões que podem evitar gastos maiores no futuro.

Leia mais: Conheça 6 passos para organizar as finanças, cortar gastos e poupar

1) Óleo e filtro

Segundo Gonzaga, a troca de óleo é uma das principais medidas de preservação do carro. Existe uma recomendação expressa entre as montadoras, para a substituição dos lubrificantes ser feita a cada 10 mil km. 

A falta de cuidado com o motor pode ocasionar danos médios ou severos ao veículo.

Em média, o valor gasto com a troca de óleo, filtros e mão de obra, em uma rede qualificada, gira em torno de R$ 200 e R$ 300, dependendo da marca.

Caso o dono do veículo não respeite a troca na quilometragem recomendada, ele pode ter de desembolsar entre R$ 15 mil e R$ 20 mil num eventual dano ao motor.

Veja também: Conheça 8 hábitos minimalistas que podem ajudar na sua vida financeira

2) Pneus

O alinhamento, balanceamento e rodízio de pneus é um investimento que, dependendo do local, gira em torno de R$ 100 a R$ 200.

Segundo Leite, esses três itens de revisão ajudam os pneus "a não sofrerem um desgaste prematuro que pode ocasionar a perda de estabilidade, comprometer a suspensão do veículo e gerar custos extras".

Confira: Por contas em dia, famílias cortam gastos e assumem tarefas da casa

“Fazendo uma conta simples, se for preciso trocar os pneus por falta de alinhamento e balanceamento, ele poderá ter de gastar até R$ 2 mil se, na pior das hipóteses ele ter comprometido os quatro pneus (cada um custa entre R$ 300 e R$ 500), além do alinhamento e balancelamento”, afirma Gonzaga.

3) Pastilha de freio

Outro item elencado pelo diretor de pós-venda da Caoa é a análise do desgaste da pastilha, seguindo o prazo estabelecido pela montadora.

A maioria, segundo ele, recomenda que a pastilha tenha espessura de 2 milímetro. No entando, muitas vezes, o motorista não faz a inspeção e acaba não trocando a pastilha, serviço que custa aproximadamente R$ 500, dependendo do veículo.

A medida, além de ser um risco sério para a segurança do próprio motorista por reduzir ou perder a capacidade de frear o veículo, pode comprometer o disco e a pinça de freio gerando um gasto muito maior.

Veja mais: Mães e filhos criam os próprios brinquedos e driblam consumismo

“Ou seja, os R$ 500 não gastos com a troca da pastilha podem, eventualmente, ocasionar um custo de até R$ 4 mil, na pior das hipóteses, caso o disco e a pinça de freio sejam comprometidos”, diz o diretor.

4) Scanner eletrônico

Quando o carro é levado para revisão, é feito um diagnóstico que inspeciona inúmeros itens. Dentre as inspeções, uma delas é um scanner, desenvolvido pela engenharia de cada marca, que possibilita a identificação de eventuais irregularidades em componentes eletrônicos do carro.

Caso seja identificado, de forma prévia, algum ponto de interrupção no sistema eletrônico do veículo, é gerado um código de falha, que acusa o mau funcionamento de algum componente, e a correção é feita de modo adequado.

Leia também: Veja dicas para economizar no supermercado em meio à pandemia

Se esta revisão não for feita, algum módulo ou equipamento de gerenciamento eletrônico do carro pode ser comprometido e o conserto ficará bem mais caro.

Afinal, toda a parte de módulos: injeção, carroceria, ABS, airbag etc, são peças caras, pois são eletrônicos, com diversos componentes, inteligência e softwares.

De acordo com Gonzaga, na pior das hipóteses, caso haja um problema em grande parte dos módulos, a substituição não compensa o investimento.

“Em alguns casos de colisão frontal, o que faz o carro dar perda total não são as peças de lataria ou mecânica, mas os módulos que acabam elevando o valor do sinistro”, explica.

Ele diz que um módulo eletrônico pode custar até R$ 10 mil.

"O scanner é como um antivírus de computador, se tiver alguma irregularidade ele aponta. Você não paga nada a mais por isso, está incluso no valor da revisão”, conta Gonzaga.

5) Plano de manutenção

De acordo com o diretor de pós-venda da Caoa, seguir o plano de manutenção  assegura a cobertura da garantia do veículo. “É similar ao plano de saúde, você espera não usar, mas se eventualmente precisar, você está coberto”, afirma.

Ele explica que este é um gasto que você não consegue mensurar, mas dá o seguinte exemplo: 

Pelo plano de manutenção, em três anos, considerando que ele rode a média de 10 mil km por ano, o motorista deve gastar, aproximadamente, uns R$ 1.500 de manutenção periódica. Este custo varia conforme a marca e o modelo do carro.

Se o motorista seguir as recomendações à risca e aparecer um problema de câmbio, por exemplo, ele é trocado sem nenhum custo pela montadora. Caso tenha descumprido o plano, perderá a garantia e terá de pagar pelo conserto. 

Ele lembra também que um veículo que tenha todas as revisões feitas na concessionária tem um valor adicional de revenda. “Então, na hora de vender o carro com certeza o carro será mais valorizado”, completa.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Márcia Rodrigues