Veja 5 sinais de que você mantém um padrão de vida acima da renda

Gastar mais do que ganha é um dos principais geradores do endividamento, segundo especialistas. Faça as contas e avalie que despesa dá para eliminar

Gastos podem levar a dívidas

Gastos podem levar a dívidas

Pixabay/Reprodução

Gastar mais do que se ganha e viver em um padrão de vida acima da sua realidade são duas das consequências da falta de educação financeira. Esse tipo de comportamento pode gerar muitas dificuldades e acarretar em futuras dívidas e inadimplência.

Leia mais: Pausa na prestação dá alívio na pandemia e quase não afeta parcela

Para ajustar o padrão de vida com o que ganha, Teresa Tayra, educadora financeira, diz que é necessário fazer um mapeamento de suas receitas e despesas.

A educadora ressalta que é importante estar atento a dois erros comuns:

• Contabilizar o salário bruto na receita ao invés de considerar apenas o valor líquido a receber; e
• Listar apenas gastos maiores e fixos no orçamento do mês.

Leia mais: Já é possível pedir empréstimos com imóvel como garantia. Veja como!

"Também é preciso se atentar aos inúmeros pequenos valores desembolsados  ao longo do mês", afirma Tayra.

Como adequar o padrão de vida à realidade

Sinais de que está num padrão de vida acima

1- Endividamento excessivo e inadimplência

De acordo com Rejane Tamoto, planejadora financeira, esses são uns dos sinais de que a pessoa está gastando mais do que recebe.

2- Não consegue poupar parte da renda

Conseguir fazer uma reserva, segundo Teresa Tayra, é o primeiro passo para começar a investir no futuro e construir uma independência financeira.

Reavalie se seus desejos são apenas imediatistas e de curto prazo
Teresa Tayra

3- Pagamento mínimo do cartão de crédito

Não conseguir fazer o pagamento total da fatura do cartão de crédito é mais um sinal de que o padrão de vida não está condizente com ao que ganha, aponta Ivan Sanches, educador financeiro.

Leia mais: Aposentadoria: cinco revisões para pedir após a reforma da Previdência

"As pessoas usam o cartão de crédito como extensor de salário, mas ele é um centralizador de pagamento", explica Tayra.

É um grande desafio reverter isso, mas o primeiro passo é entender o quão errado a pessoa usa o acesso ao crédito
Teresa Tayra

4- Frequente uso do limite do banco

Sanches diz que o uso excessivo do cheque especial também demonstra um desalinhamento no padrão de vida.

Leia mais: Saiba qual é o melhor investimento para cada situação

Assim como o cartão de crédito, Teresa Tayra reforça que o limite do cheque especial também não é um extensor de salário.

"Ele é um recurso para emergências, mas muitos já contam com ele para passar o mês", afirma a educadora.

Leia mais: Mutuário já pode adiar em 180 dias quitação de parcelas do financiamento

5- Empréstimos para itens de consumo

Tomar empréstimos para adquirir itens de consumo também pode retratar que a pessoa está vivendo um padrão de vida fora de sua própria realidade.

Leia mais: Você sabia que pode autossabotar seu orçamento? Como identificar?

Como adequar o padrão à realidade

"O primeiro de tudo é a própria pessoa querer", afirma Teresa Tayra. 

Afinal, gastar menos do que se ganha é o primeiro passo para construir um futuro mais próspero.

Leia mais: Brasileiro deve manter controle financeiro e mais hábitos após crise

Adequar seu padrão de vida ao orçamento pode ser difícil no primeiro momento, mas todos que conseguiram afirmam que é libertador
Teresa Tayra

É preciso ter conhecimento da própria vida financeira e, em seguida, fazer o reconhecimento.

"Avaliar se tudo o que gasta realmente faz sentido. Agora que estamos em uma pandemia, tivemos tempo para refletir sobre outros valores", orienta Rejane Tamoto.

Leia mais: Vale a pena investir em empresas que vão estrear na Bolsa?

Após essa reflexão será possível eliminar gastos que estão nas faturas no piloto automático. 

Para estimular a mudança, Rejane aconselha que ao final do processo haja uma recompensa.

Sugiro planejar algo muito bom para fazer com o dinheiro que vai sobrar na conta depois dessa organização e revisão
Rejane Tamoto

Fazer pesquisas de fornecedores também contribui para essa mudança, segundo Tamoto, pois "muitas vezes podemos encontrar algo melhor".

Leia mais: Pequenos gastos do dia a dia podem comprometer orçamento do mês

Para isso é preciso ter disposição e contribuição de toda a familía, pois requer muito trabalho e muitas pessoas esbarram nesse quesito. 

*Estagiário do R7, sob supervisão de Márcia Rodrigues